Imobiliário

Preço das casas em Lisboa sobe ao ritmo mais baixo desde final de 2015

(Gerardo Santos / Global Imagens)
(Gerardo Santos / Global Imagens)

O preço das casas em Lisboa aumentou 10,9% nos primeiros três meses do ano.

A subida, segundo dados publicados esta segunda-feira pela Confidencial Imobiliário (CI), é a menos acentuada desde o final de 2015. No trimestre anterior, o último de 2018, o aumento tinha sido de 16%.

A plataforma especializada em preços de imóveis destaca que os números confirmam “a tendência de desaceleração da valorização registada neste mercado ao longo do último ano”, recordando que no segundo trimestre do ano passado as casas da capital valorizavam 21,5%.

Mas esta tendência de abrandamento não se estende a todo o país. A análise da CI revela que a nível nacional, os preços das casas mantiveram, no arranque de 2019, um ritmo de subida acelerado.

Entre janeiro e março, os valores subiram 15,9% face ao período homólogo, naquela que foi a variação mais elevada dos últimos quatro trimestres. No último ano, o aumento dos preços a nível nacional tem ultrapassado sempre os 15%.

O Porto mantém-se como a cidade do país onde a subida dos preços é mais acentuada. No primeiro trimestre as casas ficaram 28,8% mais caras. Ainda assim, houve uma desaceleração face aos 32,9% registados no último trimestre de 2018.

A nota da CI destaca que “é a primeira vez, desde o início de 2018, que a subida homóloga de preços no Porto reduz a intensidade, sugerindo que este mercado possa estar agora a iniciar o percurso de arrefecimento observado em Lisboa há cerca de um ano”.

Ricardo Guimarães, diretor da plataforma, considera que Lisboa e Porto “já não são a base para o crescimento nacional dos preços”.

Segundo o responsável, “na maioria das capitais distritais a subida dos preços intensificou-se neste trimestre, explicando-se, assim, que os preços a nível nacional mantenham o ritmo de crescimento num contexto de abrandamento da valorização nos dois principais mercados”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Preço das casas em Lisboa sobe ao ritmo mais baixo desde final de 2015