Habitação

Preço das casas volta a subir e atinge máximos de dez anos

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Desde março de 2017 que a avaliação bancária das casas tem subido todos os meses

O valor que os bancos atribuem às casas registou nova subida em agosto. Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística publicados esta quinta-feira, o preço médio do metro quadrado em Portugal é de 1196 euros.

O valor representa um aumento de nove euros face a julho e de 74 euros quando comparado com o mesmo mês do ano passado. Desde, pelo menos, setembro de 2008, que a avaliação bancária das casas não era tão elevada.

Nas regiões do Algarve, Área Metropolitana de Lisboa, Madeira e Alentejo Litoral, a avaliação bancária das casas está acima da média do país.

No espaço de um ano, foi no Algarve que os preços mais subiram: 9,6%, para uma média de 1547 euros, sendo a região sul a mais cara do país.

Segue-se a área metropolitana de Lisboa com uma média de preços de 1468 euros, mais 7,9% do que há um ano.

Já a comparação com março de 2013, data em que os preços atingiram valores mínimos, a subida da média nacional da avaliação bancária foi de 22%, ou 215 euros.

Em Lisboa, desde o pico da crise, o valor das habitações subiu 28%. Em abril de 2013 a avaliação bancária de um imóvel na área metropolitana da capital era de 1146 euros. Hoje está 322 euros acima.

A diferença ainda é mais expressiva se a análise for feita unicamente à cidade de Lisboa, onde o valor mínimo foi atingido em setembro de 2012 (1704 euros). Desde então, a avaliação bancária das casas na capital aumentou 471 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

O dia, segunda-feira de Páscoa, prejudicou a concentração dos ex-operários junto à casa-mãe, a Miralago. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Ex-operários tentam evitar saída de máquinas da Órbita

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abrãao, numa manifestação. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

FESAP. Inspetores do Estado podem ficar 10 anos sem progredir nas carreira

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Preço das casas volta a subir e atinge máximos de dez anos