Ouro

Preço do ouro negoceia em máximos de 2013

gold-163519_1280

O preço do ouro chegou hoje a cotar-se a 1.565 dólares, mais 1,8% em relação a sexta-feira, situando-se em máximos desde 2013, impulsionado pelos receios sobre as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China.

A escalada da guerra comercial entre as maiores potências do mundo, os Estados Unidos e a China, levaram os investidores a escolherem o ouro como “um ativo seguro [de refúgio] em tempos de incerteza”, disseram hoje analistas à agência de notícias espanhola EFE, com o preço do ouro (a onça troy equivale a 31,1 gramas) a valorizar-se para 1.565 dólares, fixando-se em máximos desde 2013.

O preço do ouro voltou posteriormente a corrigir, ao negociar em torno de 1.528 dólares, mesmo assim um máximo desde abril de 2013.

De acordo com o UBS Group AG, prevê-se que possa valorizar-se para 1.600 dólares no próximos três meses.

O UBS, citado pela agência de notícias financeiras Bloomberg, tem vindo a rever em alta as previsões do preço do ouro à medida que “aumentam as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China”.

A nota do banco suíço refere ainda que o aumento das tensões comerciais entre a Washington e Pequim têm vindo “a prejudicar o crescimento económico [global]” e a levar a que os bancos centrais “flexibilizem” as suas políticas de taxas de juros e olhem para novos estímulos direcionados para o crescimento económico.

Para o analista da XTB Jorge López, o preço do ouro “está a subir vertiginosamente devido ao aumento da procura, resultado da volatilidade e incerteza que se mantêm latentes nos mercados financeiros”.

“A tensão [comercial] entre Estados Unidos e a China permanece” e a situação “parece dar nota de que está pior”, lembrou, justificando que a subida das tarifas alfandegárias por ambas as partes “não dá indícios de ter acabado”.

Segundo o analista, “o que parece estar a dar asas ao preço deste metal precioso são os sinais contínuos de enfraquecimento que estão a registar-se no crescimento da economia global e o atual fantasma de uma possível recessão”.

A economia alemã contraiu-se 0,1% segundo trimestre do ano, assim como o setor manufatureiro dos Estados Unidos em agosto, e os analistas dão indicações de que o terceiro trimestre na Alemanha pode surpreender com um novo recuo do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o que “atirará o país para uma recessão técnica”.

Daí que o UBS, citado pela Bloomberg, preveja que o preço do ouro suba para 1.600 dólares no próximos seis meses e para 1.650 dólares nos próximos 12 meses.

O analista Jorge López explicou ainda que “as grandes compras de ouro estão a ser feitas pelos principais bancos centrais e, neste ponto, a China desempenha igualmente um papel muito importante, pois o seu compromisso é cada vez mais reduzir a [dependência] do iuane face ao dólar”.

A recuperação do ouro iniciou-se com a queda das taxas de juro nos Estados Unidos em julho e noutros países já em agosto, nomeadamente a Índia, Nova Zelândia e a Tailândia, o que levou a que aumentasse a procura por outros ativos que os investidores consideram “seguros”.

Em agosto, o preço do ouro valorizou-se mais de 100 dólares a onça e o mês de julho fechou com o ouro a cotar-se nos 1.413,98 dólares.

Já o rendimento das obrigações registou baixas históricas em muitos países e os investidores passaram a pagar mais pela dívida de curto prazo do que pelas obrigações de longo prazo, situação que os especialistas apelidam de “inversão da curva de juros” e que é considerada um sinal que antecipa as recessões económicas.

A “inversão das taxas” das obrigações de curto e longo prazo em diversos países, nomeadamente nos Estados Unidos, está a “preocupar fortemente” os analistas e os investidores, segundo a Bloomberg.

O preço do ouro, que havia terminado 2018 a valer 1.283 dólares, no mês de junho negociava nos 1.300 dólares.

A partir de então, começou a subir e atingiu preços mais elevados este mês..

O preço do ouro atingiu o seu máximo histórico em 05 de setembro de 2011, data em que se fixou em 1.900,2 dólares.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
precários jovens licenciados

Jovens, precários e licenciados pagam ajustamento laboral da pandemia

Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

Uma funcionária transporta máscaras de proteção individual na fábrica de confeções Petratex, em Carvalhosa, Paços de Ferreira, 27 de abril de 2020. HUGO DELGADO/LUSA

Mais de 60% dos “ausentes” do trabalho são mulheres

Preço do ouro negoceia em máximos de 2013