Eurostat

Preços em Portugal estão abaixo da média… menos nos automóveis

Vendas de automóveis

O Eurostat dividiu preços em dez categorias de produtos e comparou os valores praticados em cada país da UE tendo em atenção o poder de compra.

A restauração e hotelaria num extremo, os automóveis no outro. Os preços em Portugal encontram-se na sua grande maioria abaixo da média da União Europeia (UE), de acordo com a atualização feita nesta semana pelo Eurostat, já com dados relativos a 2016 e tendo em atenção a paridade do poder de compra.

Segundo os números do organismo estatístico da UE, separados por dez categorias, na restauração e hotelaria os preços em Portugal representam 74,9% do que é a média da região. Ou seja, o que custa 10 euros na UE, sai por 7,5 euros em Portugal. E este é mesmo o campo onde os preços saem mais em conta.

Automóveis: 108% da média
No lugar oposto à restauração encontram-se os preços dos veículos de transporte individual – inclui automóvel, motociclo e bicicleta, sendo o primeiro o dominante. Generalizando os cálculos do Eurostat, podemos dizer que um carro que custe 30 mil euros em média na UE custará 32,5 mil euros em Portugal, já que os preços dos “transportes individuais” no país representam 108,2% dos valores médios cobrados na região. Os impostos e a vontade de desincentivar a compra de veículos explicará a maioria da diferença.

A propósito da evolução homóloga das vendas de veículos em Portugal, o economista Ricardo Pais Mamede refletia nesta semana sobre o lado positivo desta queda. “Comprar carros novos pode fazer bem ao ego de muita gente, mas faz muito mal à dívida externa portuguesa”, comentou no Facebook. “Por isso o governo aumentou o imposto de selo tanto em 2016 como em 2017. Isto ajuda a explicar a desaceleração do crescimento da compra de automóveis num momento em que os rendimentos aumentam”, acrescentou.

Desagregando os dados do Eurostat, percebe-se que neste setor apenas a Islândia, Noruega, Holanda, Irlanda e Dinamarca apresentam preços acima dos portugueses. Todos os restantes países têm preços mais baixos, incluindo a Alemanha, onde os preços representam 99% da média europeia, menos nove pontos do que em Portugal. Na comparação com Espanha, o fosso é ainda maior: os preços no mercado vizinho são 88% da média.

Os preços dentro da média
Na análise aos preços em Portugal, o Eurostat conclui que na maioria das categorias os preços ficam abaixo da UE, registando-se porém alguns em que esta diferença é reduzida. É o caso das categorias alimentação, vestuário, mobiliário e decoração, mas também de telecomunicações. Em todas estas áreas os preços portugueses ficam a cinco ou menos pontos percentuais da média comunitária.

Na alimentação, os portugueses enfrentam preços equivalentes a 95% da média europeia, valor em linha com os espanhóis (96%) e britânicos (96,4%, mas abaixo dos gregos (104%), franceses (114%), italianos (113%) ou malteses (106,5%), só para citar alguns exemplos.

Já para comprar roupa os consumidores em Portugal enfrentam um cenário similar, pagando 98% da média da UE, mas estando acima dos preços em Espanha (92%) e no Reino Unido (91,3%) e em linha com a Grécia (99%), Croácia (97%) ou Chipre (99%). O mobiliário e as telecomunicações são outras das áreas em que os preços se encontram próximos da média da UE, representando 98% e 95% desta.

Rendas, contas e diversão
Além dos preços da hotelaria e restauração, há outras cinco categorias de preços praticados em que a economia portuguesa cobra relativamente menos face à média.

Desde logo as rendas e custos associados a uma habitação, sejam de luz e água ou de manutenção do próprio imóvel. Tudo somado, garante o instituto de estatística, os preços portugueses são dos mais baixos neste campo: 75% da média europeia, ligeiramente acima de Chipre (71,2%) e tendo como valor superior mais aproximado os 91% de Espanha. Este é mesmo o domínio em que a disparidade é mais acentuada, de 38% na Roménia a 160% no Reino Unido.

Seguem-se os preços pagos para bebidas alcoólicas, tabaco e fármacos, serviços recreativos e transportes coletivos. Nestas categorias, os consumidores em Portugal pagam o equivalente a 89,3%, 84,7% e 86,8% da média europeia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Preços em Portugal estão abaixo da média… menos nos automóveis