Transporte

Presidente da ANTP admite fraca adesão a protesto dos camionistas

EPA/CAROLINE BLUMBERG
EPA/CAROLINE BLUMBERG

O presidente da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) admitiu que "as pessoas estão dispersas e desunidas".

O presidente da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) admitiu esta segunda-feira à Lusa que a paralisação dos camionistas está a ter pouca adesão, adiantando que será entregue ao Governo, esta terça-feira, o caderno reivindicativo do setor.

“Sei que não tem estado a haver uma grande adesão. As pessoas estão dispersas e desunidas. No entanto, pode haver uma reviravolta durante a noite”, disse Márcio Lopes, em declarações à Lusa.

De acordo com o presidente da ANTP, o protesto, iniciado às 08:00, não foi desconvocado, estando ainda previsto para esta terça-feira a entrega do caderno reivindicativo ao Governo.

A paralisação pretende reclamar a regulamentação do setor, a criação de uma Secretaria de Estado dedicada exclusivamente aos Transportes, a obrigatoriedade de pagamento no período máximo de 30 dias e a criação de um mecanismo para que a inflação também seja refletida no setor dos transportes.

O caderno reivindicativo prevê ainda que o preço dos combustíveis seja indexado ao preço dos transportes, isto é, refletido no custo dos serviços, melhores condições de trabalho para os motoristas e descontos nas portagens.

Já hoje a ANTP havia dito, após uma reunião no Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, que o Governo “manifestou abertura” para discutir algumas das propostas apresentadas pelo setor, comprometendo-se a criar um grupo de trabalho para discutir as propostas apresentadas.

A ANTP representa as pequenas e médias empresas do setor e foi formada depois do bloqueio de 2008.

De acordo com a ANTP, o setor tem 7.500 empresas e mais de 300 mil trabalhadores, representando esta associação cerca de 400 associados, segundo o presidente da direção.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
TimVieira_1-1024x683

“Fui quem mais investiu e mais perdeu no Shark Tank. E também quem ganhou mais”

João Lourenço, Presidente de Angola. Fotografia: ESTELA SILVA/LUSA

Dívida externa angolana financiou “enriquecimento ilícito de uma elite”

Lisboa, 12/06/2019 - Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, fotografada esta tarde nos estúdios da TSF, durante uma entrevista 'A Vida do Dinheiro'  TSF/Dinheiro Vivo.
( Gustavo Bom / Global Imagens )

Mariana Vieira da Silva: Repetir a geringonça “é possível e desejável”

Outros conteúdos GMG
Presidente da ANTP admite fraca adesão a protesto dos camionistas