Turismo

Presidente da ilha do Príncipe recusa transformar a ilha para turismo de massas

ilha do principe
Forte de S. Sebastião
Fotografia: Rafael Barbosa
ilha do principe Forte de S. Sebastião Fotografia: Rafael Barbosa

O presidente do governo regional da ilha do Príncipe, em Tomé e Príncipe, recusa transformar o território num destino turístico de massas

O presidente do governo regional da ilha do Príncipe, em Tomé e Príncipe, António José Cassandra, recusa transformar o território num destino turístico de massas, apesar dos apetites dos operadores internacionais.

Atualmente com cem camas, o Príncipe é um alvo cada vez mais apetecível para o turismo internacional, depois de ter sido classificado como Reserva da Biosfera em 2012 e várias revistas da especialidade terem indicado a ilha como um dos últimos paraísos escondidos do mundo.

No entanto, António José Cassandra recusa euforias e afirma que os projetos do governo preveem somente equipamentos hoteleiros com 300 a 500 camas, recusando a massificação da oferta.

“Desenvolvimento sim, mas com muito equilíbrio para não destruirmos” a ilha, avisa António José Cassandra, salientando que aquilo que distingue o Príncipe são as características quase intocáveis da natureza.

“Se nós não tivermos maior qualidade na preservação da nossa densa e virgem floresta” e combater a “pressão que há sobre a floresta e sobre a extração das areias na praia”, corre-se o risco de fragilizar o equilíbrio do ecossistema, o grande cartão de visita da ilha.

“Se perdermos isso, então acabou tudo”, diz o responsável, salientando que os pontos turísticos já estão entregues a investidores internacionais “com consciência ambiental”, cabendo agora promover a requalificação da capital, Santo António, e encontrar formas de criar emprego para os locais.

“É preciso continuarmos com o mesmo empenho e com o mesmo afinco e não perdermos o rumo que nós traçamos”, afirma o dirigente, que elogia a paciência da população em relação aos projetos de desenvolvimento.

“É muito importante salientar que tudo isto se deve à colaboração das pessoas que vivem aqui no Príncipe, que compreenderam esta visão, que se apropriaram dela e estão a fazer a sua parte”, diz.

Agora, o governo regional criou um gabinete de apoio à iniciativa privada, para financiar a fundo perdido “pequenas unidades de serviço, de restauração, produção pesqueira”, que podem completar a oferta turística.

Exemplo disso são as casas de pasto, que “vão ser transformadas em restaurantes”, disse.

O objetivo é “dar meios e instrumentos aos nossos cidadãos que já têm alguma iniciativa mas não têm meios” para investir, explicou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Presidente da ilha do Príncipe recusa transformar a ilha para turismo de massas