Guerra comercial

Presidente da Microsoft ao lado da Huawei: Trump está a ser injusto

Brad Smith
(Filipe Amorim / Global Imagens)
Brad Smith (Filipe Amorim / Global Imagens)

O presidente da Microsoft, Brad Smith, desafiou os EUA a fornecer provas que sustentem as suspeitas em relação à Huawei

Brad Smith coloca-se, de certa forma, ao lado da empresa chinesa insistindo que o executivo de Trump ainda não demonstrou ter um caso contra a Huawei, indica a Bloomberg.

O responsável disse à Businessweek da Bloomberg que o tratamento do seu governo em relação à Huawei “não é americano” e explica mesmo que não há razão para que a empresa chinesa não possa comprar tecnologia a empresas americanas, incluindo a Microsoft.

A Microsoft pediu mesmo detalhes sobre os motivos por trás das sanções e Smith explica: “Muitas vezes, o que recebemos em resposta do governo foi: ‘Bem, se vocês soubessem o que nós sabíamos, concordariam connosco’. E respondemos: ‘óptimo, mostrem-nos o que sabem para que possamos decidir por nós mesmos. É assim que este país funciona'”.

Smith explica que decisões relevantes como uma proibição de exportações para a China não devem ser tomadas sem uma “base sólida de factos, lógica, típica de um Estado de Direito”, exigindo assim mais argumentos.

Leia também | Líder da Huawei: “Vamos sofrer durante um a dois anos se perdermos o Android”

O presidente dos EUA, Donald Trump, tem usado o argumento de que a liderança da Huawei terá laços com o exército chinês e o Partido Comunista da China. A Huawei pediu de forma repetida aos reguladores dos EUA uma explicação sobre os motivos da proibição e nega veementemente todas as acusações contra ela. Pediu inclusive que os seus produtos possam ser analisados ao detalhe por entidades independentes.

Na semana passada, Trump deu a entender uma mudança na sua posição em relação à Huawei, afirmando que os EUA não têm nenhuma intenção de incluir a empresa num futuro acordo comercial com a China. A posição contraria a opinião que o próprio Trump expressou no final de maio, quando afirmou que a empresa poderia fazer parte de um acordo.

Em maio, o Departamento de Comércio dos EUA adicionou a Huawei à lista negra de empresas proibidas para os negócios domésticos e criou um bloqueio para o uso dos seus equipamentos nas redes de telecomunicações do país. A proibição total, após um segundo adiamento de 90 dias decretado em agosto, deverá entrar em vigor em novembro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Presidente da Microsoft ao lado da Huawei: Trump está a ser injusto