ensino

Marcelo defende fim das propinas no ensino superior

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, participa na sessão de encerramento da Convenção Nacional do Ensino Superior 20/30 - O Ensino Superior na Europa - Uma perspetiva comparada",no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), em Lisboa, 7 de janeiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, participa na sessão de encerramento da Convenção Nacional do Ensino Superior 20/30 - O Ensino Superior na Europa - Uma perspetiva comparada",no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), em Lisboa, 7 de janeiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

A intervir numa convenção sobre o tema, no ISCTE, o Presidente da República considerou que a educação é "uma matéria de regime e não de legislatura."

O Presidente da República afirmou esta segunda-feira concordar “totalmente” com a ideia de se caminhar para o fim das propinas no ensino superior e defendeu que a educação é uma matéria de regime e não de legislatura.

Numa intervenção no encerramento de uma convenção sobre este tema, no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que a ideia defendida pelo ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, “da extinção das propinas, a concretizar-se, a ser possível concretizar-se, é um passo decisivo”.

À saída desta iniciativa, questionado se é ou não favorável à proposta de se caminhar para o fim das propinas no ensino superior, o chefe de Estado reiterou a sua posição: “Totalmente. Ficou claríssimo. Eu disse que era um passo muito importante no domínio do financiamento do ensino superior”.

“Porque isso significa o dar um passo para terminar o que é um drama, que é o número elevadíssimo de alunos que terminam o ensino secundário e não têm dinheiro para o ensino superior, porque as famílias não têm condições, portanto, têm de trabalhar, não podem permitir-se aceder ao ensino superior”, justificou.

Segundo o Presidente da República, este quadro “é muito negativo em termos do futuro do país” e coloca Portugal numa “posição muito má em termos internacionais”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Marcelo defende fim das propinas no ensino superior