Segurança Social

Prestação Social para Inclusão chega a crianças e jovens até 18 anos em outubro

( Carolina Branco/Global Imagens )
( Carolina Branco/Global Imagens )

Esta será a terceira e última fase da PSI, que alarga a prestação a quem esta ainda não chegava: crianças e jovens até aos 18 anos.

A Prestação Social para a Inclusão (PSI), que em agosto abrangia mais de 96.000 pessoas, vai ser alargada a partir de outubro às crianças e jovens até aos 18 anos e terá um valor de 140 euros, foi hoje anunciado.

Em declarações à agência Lusa, a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, explicou que esta será a terceira e última fase da PSI, que alarga a prestação a quem esta ainda não chegava: crianças e jovens até aos 18 anos.

“O que estamos a fazer é completar o puzzle, fazendo com que chegue a quem não chegava”, disse a governante, sublinhando que esta pode ser agora considerada uma “prestação de ciclo de vida”, que “pode acompanhar a pessoa desde que nasce”.

Esta prestação passa assim a abranger as crianças e jovens até aos 18 anos que tenham uma deficiência que lhes confira um grau de incapacidade igual ou superior a 60% e corresponde a 50% do valor de referência da componente base, independentemente dos recursos económicos de que a família disponha.

“O montante atribuído tem uma majoração de 35% no caso de famílias monoparentais”, explicou a secretária de Estado.

A governante disse ainda ficou de fora desta fase da PSI a majoração que pretende compensar custos pontuais e extraordinários como, por exemplo, despesas de saúde ou de reabilitação, com que a pessoa inicialmente não contava.

“O alargamento da PSI à infância e juventude a partir de outubro de 2019 prossegue a aposta do Governo na reformulação das prestações sociais na área da deficiência”, sublinha o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social em comunicado, destacando que, desta forma, é “amplamente reformada aquela que era uma das áreas mais frágeis do sistema de segurança social”.

Desde a sua criação, em outubro de 2017, a PSI foi atribuída a mais de 96.000 pessoas (96.148 segundo dados do mês passado).

Em outubro do ano passado, no âmbito desta reformulação nas prestações sociais na área da deficiência, passou a ser atribuído um apoio extra a quem apresentava maior debilidade económica. Este complemento abrange 10.600 pessoas.

A secretária de Estado explicou ainda que as pessoas que tinham apresentado reclamação por não terem tido acesso à prestação a que teriam direito por falta de um atestado médico, a atestar a incapacidade que tenha sido passado antes dos 55 anos de idade, podem recorrer.

“A prestação até podia ser pedida depois dos 55 anos, mas o atestado tinha de ter sido passado até essa idade”, para distinguir situações de deficiência de incapacidades que resultam de circunstâncias e patologias que se acumulam ao longo da vida, acrescentou.

Ana Sofia Antunes explicou ainda, desde que tenham outro documento que comprove a situação de deficiência anterior aos 55 anos de idade, podem apresentar recurso e o caso será avaliado por uma equipa médica com base na documentação que a pessoa entregue.

Disse ainda que algumas pessoas poderão notar alterações nos valores da sua prestação nos próximos meses pois a segurança social deixou de deduzir à componente base o montante social de outras prestações que a pessoa tivesse.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Prestação Social para Inclusão chega a crianças e jovens até 18 anos em outubro