ADSE

Privados ameaçam sair da ADSE. 1,2 milhões podem ter de passar para o SNS

A ministra da Saúde, Marta Temido. PAULO NOVAIS/LUSA
A ministra da Saúde, Marta Temido. PAULO NOVAIS/LUSA

Clima de tensão entre privados e subsistema chegou ao limite com ordem para reembolso de 38 milhões à ADSE. Grupos prontos a rasgar acordo

Preços sem acordo, pagamentos atrasados ou em menor valor do que o previsto, dívidas por regularizar… os problemas entre o subsistema de saúde e os grupos privados arrastam-se há muito e parecem agora ter chegado ao ponto de tensão máxima. Com os privados a ameaçar rasgar o acordo com o Estado.

José de Mello Saúde e Luz Saúde, dois dos maiores grupos, não estiveram disponíveis para confirmar ou cometar a notícia ao Dinheiro Vivo. Em comunicado, a ADSE negou ter recebido, para já, qualquer contacto oficial dos privados.

ADSE nega ter recebido denúncia de convenções por hospitais privados. Leia aqui

A confirmar-se a rutura, os cerca de 1,2 milhões de funcionários públicos e pensionistas do Estado que atualmente beneficiam deste subsistema terão de ser encaminhados para o Serviço Nacional de Saúde comum.

A notícia foi avançada esta tarde pelo Expresso e surge numa altura em que a Lei de Bases da Saúde está a trazer mais crispação e tensão política entre as esquerdas — e a nova ministra, Marta Temido — que defendem que o Estado se desligue ao máximo dos privados e PSD, CDS e parte do PS que, tal como o Presidente da República tem defendido, veem vantagens num modelo em que os privados possam ajudar o Estado a gerir a saúde de forma mais eficiente. Recorde-se que já no mês passado foi anunciado o fim da Parceria Público-Privada em Braga, considerado por dois anos consecutivos o melhor hospital do país. E para já a ideia prevalecente é que, depois de a saída do grupo José de Mello Saúde se concretizar, não seja feito novo concurso para uma gestão privada.

Meses de batalha com a ADSE

O confronto entre os maiores grupos privados na saúde — Lusíadas, Trofa e Hospitais Privados do Algarve, além da JMS e da Luz, que juntos têm, segundo o Público, 60% da faturação anual da ADSE — e o subsistema que tem cerca de 1,2 milhões de beneficiários, apesar de ter vindo a emagrecer nos últimos anos (o que estará a causar um problema de sustentabilidade, conforme explica aqui o JN), adquiriu contornos mais sérios no final do ano passado, quando a ADSE comunicou aos principais hospitais que têm convenção com este subsistema previsto para trabalhadores e pensionistas do Estado que teriam de devolver 38 milhões de euros.

Em causa estariam faturações excessivas relacionadas com medicamentos e operações em 2015 e 2016 e cujo valor cobrado estaria acima da média do mercado e divergências quanto ao número de doentes atendidos. Desde 2009 que existe na lei a possibilidade de fazer regularizações, ou seja, o prestador privado de saúde cobra o que entende ser o preço correto e no final de cada ano os custos são comparados com a média do mercado; sempre que haja um desvio superior a 10%, o privado tem de reembolsar a ADSE.

Os grupos privados contestaram a decisão, mas a Procuradoria-Geral da República daria razão à ADSE, decidindo em dezembro contra a providência cautelar e o recurso contra a decisão. Há ainda o processo principal por decidir.

“É inaceitável, é uma quebra de confiança. Não é razoável que se queira fazer regularizações retroativas de faturas conferidas e pagas, com base em valores que ninguém sabe quais são”, reagiu então Óscar Gaspar, em comunicado da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

RODRIGO ANTUNES / LUSA

Governo reúne motoristas e patrões em nova maratona de “intransigências”

Posto de abastecimento de combustíveis REPA (Rede Estratégica de Postos de Abastecimento) no Porto (ESTELA SILVA/LUSA)

Revendedores de combustíveis esperam acordo “o mais brevemente possível”

Outros conteúdos GMG
Privados ameaçam sair da ADSE. 1,2 milhões podem ter de passar para o SNS