OPEP

Procura de crude vai aumentar 16% até 2040

Fotografia: Sergei Karpukhin/ Reuters
Fotografia: Sergei Karpukhin/ Reuters

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo prevê que a procura mundial vai aumentar apesar da luta contra as alterações climáticas.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) prevê que a procura mundial aumentará mais de 16% até 2040, quando vai totalizar 111 milhões de barris diários, embora a luta contra as alterações climáticas reduza o consumo.

No relatório divulgado esta terça-feira em Viena sobre a evolução do mercado a médio e longo prazo, a OPEP considera necessário investir 10,5 biliões de dólares no setor para satisfazer o aumento da procura.

A OPEP referiu também que nos próximos cinco anos o crescimento anual da procura será em média de 1,2 milhões de barris por dia.

Este cálculo implica que em 2022 o planeta consuma 102,3 milhões de barris diários, ou seja, 6,9 milhões de barris diários acima do verificado em 2016, mas o crescimento vai abrandar e situar-se em 0,3 milhões de barris diários por ano entre 2035 e 2040, devido às “estratégias energéticas” previstas para lutar contra o aquecimento global, explicou a organização.

O relatório prevê que nesses cinco anos a procura de energias renováveis – eólica, fotovoltaica, solar térmica e geotérmica – é a que vai registar os maiores índices de crescimento, com uma média anual de 6,8%, muito superior ao esperado aumento do consumo de petróleo e carvão, de 0,6% e 0,4%, respetivamente.

Apesar disso, a OPEP destaca que o petróleo continuará a ser a fonte de energia mais usada, com uma proporção de 27%, seguido do gás natural (25%), enquanto as renováveis, apesar da subida de 4 pontos percentuais, vão ocupar um lugar modesto no setor energético mundial em 2040, com 5,5%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Procura de crude vai aumentar 16% até 2040