Arrendamento

Procura de quartos para alugar cresce 52% entre maio e agosto

Fotografia: Leonel de Castro / Global Imagens
Fotografia: Leonel de Castro / Global Imagens

Lisboa, Porto e Setúbal são as regiões onde mais contactos são feitos para arrendar um quarto.

A procura de quartos para alugar cresceu 52% entre os meses de maio e agosto, revela um estudo do portal de anúncios classificados OLX. De acordo com os dados disponíveis na plataforma, Lisboa (53%), Porto (15%) e Setúbal (9%) são as cidades em que mais contactos são feitos na tentativa de arrendar um quarto.

As zonas mais procuradas em Lisboa são Sintra, Arroios, Odivelas, Oeiras e Benfica. No Porto, destaque para Paranhos, Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Maia e Gondomar. E, em Setúbal, a procura recai essencialmente nas zonas de Almada, Seixal, cidade de Setúbal, Palmela e Barreiro.

Lisboa é a cidade que regista o preço médio mais elevado (345 euros), seguindo-se Faro (291 euros) e Porto (280 euros).

“Este estudo aponta uma tendência clara: apesar da notória subida do preço médio dos quartos para arrendar, a procura não parece ressentir-se. Antes pelo contrário. Outra conclusão evidente, sobretudo a julgar pelo crescimento dos índices de procura e oferta, é que o OLX acaba por ser um parceiro muito valioso nesta categoria de STR (short term rentals)”, analisa Andreia Pacheco, Brand Manager do OLX em Portugal.

Na categoria de quartos para arrendar é notória a prevalência de jovens entre os 18 e os 24 anos, provando que “são sobretudo estudantes universitários que procuram no OLX soluções de residência mais económicas para os próximos anos das suas vidas”, acrescenta Andreia Pacheco.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto:  EPA/ANDY RAIN

Sem acordo pós-brexit, Portugal pode exportar menos cerca de 300 milhões

marcelo

Marcelo admite possível “problema europeu” mas sem fecho de fronteiras

Foto: D.R.

PSI20 cai 2,28%. Perdas na Europa continuam devido ao coronavírus

Procura de quartos para alugar cresce 52% entre maio e agosto