Produtos falsificados para a Europa valem 121 mil milhões de euros

Calçado e vestuário continuam a ser os produtos mais falsificados em todo o mundo. A esmagadora maioria tem origem na China e em Hong Kong.

O comércio de bens falsificados tem vindo a subir nos últimos anos de forma sustentada, em todo o mundo, mas também na Europa. "Os resultados mostram que, em 2016, as importações de produtos contrafeitos e pirateados para a UE ascenderam a 121 mil milhões de euros", refere o relatório conjunto da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE) e do Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia, divulgado esta segunda-feira.

Os dados dizem respeito apenas a apreensões aduaneiras e não incluem os produtos contrafeitos e pirateados produzidos e consumidos no mercado interno, nem os conteúdos digitais pirateados na Internet.

De acordo com os resultados, o valor de produtos contrafeitos "representa até 6,8 % das importações da UE, face a 5 % das importações" em 2013, ou seja, um crescimento de 1,8 pontos percentuais em apenas três anos, o que no entender da OCDE

Em termos mundiais, o valor dos produtos contrafeitos também aumentou de forma significativa, passando de 461 mil milhões de dólares em 2013, para 509 mil milhões de dólares em 2016. Um aumento de 3,3% das importações mundiais.

Calçado e vestuário são os mais falsificados

A falsificação de produtos é transversal a todas as indústrias, mas a maior parte ocorre nos bens de consumo como o calçado, o vestuário, a eletrónica (telefones e baterias) e os produtos de luxo, como relógios.

O relatório refere que, "embora os produtos contrafeitos e pirateados sejam originários de praticamente todas as economias de todos os continentes, a China e Hong Kong continuam a ser, de longe, os maiores locais de origem."

Já as empresas mais prejudicadas continuam a estar registadas nos países da OCDE, principalmente Estados Unidos, França, Itália, Suíça, Alemanha, Japão, Coreia do Sul e Reino Unido. O relatório conclui que a "contrafação e a pirataria representam um risco crítico para todas as empresas inovadoras que dependem da propriedade intelectual para apoiar as suas estratégias comerciais, independentemente da sua localização."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de