Habitação

Programa de Arrendamento Acessível celebrou 20 contratos em dois meses

Secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho.
Ana Pinho
(Gerardo Santos / Global Imagens)
Secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho. Ana Pinho (Gerardo Santos / Global Imagens)

Para a secretária de Estado da Habitação "os números não são baixos" e "era expectável" a diferença entre a oferta e a procura.

O Programa de Arrendamento Acessível está a celebrar, em média, um novo contrato de dois em dois dias. Desde que a plataforma foi lançada, a 01 de julho, foram 20 os arrendatários contemplados com uma casa de renda mais baixa face aos preços praticados no mercado. Quem o garante é a Secretária de Estado da Habitação. Ana Pinho foi entrevistada na manhã desta segunda-feira pela Rádio Renascença.

Em dois meses, visitaram a plataforma mais de 50 mil pessoas. Os utilizadores registados são quase oito mil. Destes, 2800 são pessoas que procuram casa. O número de habitações disponíveis rondava, na passada sexta-feira, as 135.

Para a governante, “os números não são baixos” e “era expectável” que a procura fosse superior à oferta. O programa foi lançado há apenas dois meses e em coincidiu com as férias de verão, lembra Ana Pinho. “É o lançamento do programa, as entidades que divulgam o arrendamento estão a familiarizar-se com o programa e a começar a divulgá-lo. Em habitação não se disponibilizam casas por decreto. Temos de gerar confiança no programa. E não há outro programa de habitação que possa fazer isto a esta velocidade”, destaca a Secretária de Estado.

A responsável considera que “o programa arrancou muito bem” e que tem gerado “imenso interesse”. O Governo está neste momento a “dar formação às agências imobiliárias e a tentar trabalhar com as plataformas eletrónicas para que as pessoas conheçam o programa e saibam que é uma alternativa”.

O programa vai permitir que “consoante as casas no mercado vão vagando, possa haver uma alternativa para elas poderem ser disponibilizadas a um valor mais baixo”.

Para resolver o desequilíbrio entre a oferta e a procura de habitação, a aposta do Governo será “na promoção de um parque público mais alargado”, adianta a responsável.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Programa de Arrendamento Acessível celebrou 20 contratos em dois meses