Imobiliário

Houses of Portugal quer aumentar vendas do imobiliário nacional a estrangeiros

Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens
Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens

O projeto de promoção internacional do imobiliário português, Houses of Portugal, que aumentar em 40% as vendas do imobiliário nacional no estrangeiro

O projeto de promoção internacional do imobiliário português ‘Houses of Portugal: Value & Style’, lançado esta terça-feira, quer aumentar em 40% no próximo ano as vendas do imobiliário português a investidores estrangeiros, disseram à agência Lusa os promotores.

De acordo com o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), o objetivo é que até final do projeto, que terá a duração de dois anos, o peso do investimento estrangeiro no setor passe dos atuais 23% para perto de 30%.

“Atualmente cerca de 23% de todas as transações imobiliárias em Portugal são feitas por cidadãos estrangeiros e nós achamos que há todas as condições para aumentar essa fatia de mercado do investimento estrangeiro para perto dos 30% até final do projeto”, afirmou Luís Lima em declarações à agência Lusa.

Segundo este responsável, atualmente o potencial do investimento imobiliário estrangeiro “andará perto dos cinco a seis mil milhões de euros por ano”.

Hoje apresentado no Porto, o ‘Houses of Portugal: Value & Style’ é um projeto dinamizado em parceria pela Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção (APCMC) e pela APEMIP e propõe-se aumentar a notoriedade internacional da fileira da construção e do imobiliário nacional “através da implementação de campanhas coletivas e estratégicas de promoção da imagem e da visibilidade da oferta de valor junto dos prescritores, de ‘opinion makers’ e de outras entidades influentes nos mercados externos”.

“Vai ser uma promoção no estrangeiro muito cirúrgica. Para além da tradicional promoção em missões empresariais e com a presença em feiras, como já se faz, vamos tentar em cada local de destino chegar aos ‘opinion makers’ e às entidades e personalidades chave que nos podem ajudar a promover o país. Achamos que isso pode ajudar a alavancar ainda mais o potencial do imobiliário português”, sustentou Luís Lima.

O Brasil, França, Inglaterra e Dubai foram os quatro mercados prioritários identificados para promover o imobiliário português no âmbito deste projeto: “O Brasil porque é estratégico e tem a particularidade de comprar no país todo); o mercado francês porque é dos principais clientes e atingindo-o atingimos também o Luxemburgo, a Bélgica e a Suíça; Inglaterra porque continua a ser um mercado muito importante, nomeadamente para o Algarve, que é onde compra 90% dos ativos, mas onde vale a pena divulgar outras zonas do país; e o Dubai porque identificámos ali um potencial de crescimento bastante importante”, explicou.

Nas várias iniciativas a realizar nestes mercados, o ‘Houses of Portugal’ irá “levar a base de dados das mais de 3.000 empresas que fazem mediação imobiliária em Portugal”, o que abrange “praticamente o universo total dos ativos imobiliários que estão à venda” no país, nota a APEMIP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Governo trava acesso às pensões antecipadas

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal

Altice em negociações com dois bancos para lançar serviços financeiros

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde, no Martim Moniz,
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Carris Metropolitana: Área Metropolitana de Lisboa com marca única de autocarros

Outros conteúdos GMG
Houses of Portugal quer aumentar vendas do imobiliário nacional a estrangeiros