Imobiliário

Houses of Portugal quer aumentar vendas do imobiliário nacional a estrangeiros

Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens
Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens

O projeto de promoção internacional do imobiliário português, Houses of Portugal, que aumentar em 40% as vendas do imobiliário nacional no estrangeiro

O projeto de promoção internacional do imobiliário português ‘Houses of Portugal: Value & Style’, lançado esta terça-feira, quer aumentar em 40% no próximo ano as vendas do imobiliário português a investidores estrangeiros, disseram à agência Lusa os promotores.

De acordo com o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), o objetivo é que até final do projeto, que terá a duração de dois anos, o peso do investimento estrangeiro no setor passe dos atuais 23% para perto de 30%.

“Atualmente cerca de 23% de todas as transações imobiliárias em Portugal são feitas por cidadãos estrangeiros e nós achamos que há todas as condições para aumentar essa fatia de mercado do investimento estrangeiro para perto dos 30% até final do projeto”, afirmou Luís Lima em declarações à agência Lusa.

Segundo este responsável, atualmente o potencial do investimento imobiliário estrangeiro “andará perto dos cinco a seis mil milhões de euros por ano”.

Hoje apresentado no Porto, o ‘Houses of Portugal: Value & Style’ é um projeto dinamizado em parceria pela Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção (APCMC) e pela APEMIP e propõe-se aumentar a notoriedade internacional da fileira da construção e do imobiliário nacional “através da implementação de campanhas coletivas e estratégicas de promoção da imagem e da visibilidade da oferta de valor junto dos prescritores, de ‘opinion makers’ e de outras entidades influentes nos mercados externos”.

“Vai ser uma promoção no estrangeiro muito cirúrgica. Para além da tradicional promoção em missões empresariais e com a presença em feiras, como já se faz, vamos tentar em cada local de destino chegar aos ‘opinion makers’ e às entidades e personalidades chave que nos podem ajudar a promover o país. Achamos que isso pode ajudar a alavancar ainda mais o potencial do imobiliário português”, sustentou Luís Lima.

O Brasil, França, Inglaterra e Dubai foram os quatro mercados prioritários identificados para promover o imobiliário português no âmbito deste projeto: “O Brasil porque é estratégico e tem a particularidade de comprar no país todo); o mercado francês porque é dos principais clientes e atingindo-o atingimos também o Luxemburgo, a Bélgica e a Suíça; Inglaterra porque continua a ser um mercado muito importante, nomeadamente para o Algarve, que é onde compra 90% dos ativos, mas onde vale a pena divulgar outras zonas do país; e o Dubai porque identificámos ali um potencial de crescimento bastante importante”, explicou.

Nas várias iniciativas a realizar nestes mercados, o ‘Houses of Portugal’ irá “levar a base de dados das mais de 3.000 empresas que fazem mediação imobiliária em Portugal”, o que abrange “praticamente o universo total dos ativos imobiliários que estão à venda” no país, nota a APEMIP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministros de 21 economias vão reunir-se em Macau

Poder de compra dos portugueses tem maior subida desde o ano 2000

Christine Lagarde, diretora-geral do FMI. Fotografia: D.R.

FMI vai intrometer-se mais nas finanças dos membros

min

Pedro Marques: “Classe 2 pode ser bloqueio a viaturas mais eficientes”

Outros conteúdos GMG
Houses of Portugal quer aumentar vendas do imobiliário nacional a estrangeiros