PS defende que confinamento deve continuar para "não deitar tudo por terra"

Portugal seguiu a estratégia de outros países europeus e optou por confinar a população e encerrar escolas, estabelecimentos comerciais e negócios no pico da incidência do novo coronavírus.

O secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, considerou esta segunda-feira que o confinamento geral obrigatório está a ter resultados e, por isso, deve continuar para que "não se deite por terra" todo o esforço feito até agora.

"Os números que hoje foram conhecidos na reunião do Infarmed são muito animadores, pela primeira desde o início da pandemia que temos o número de contágios, denominado Rt, mais baixo de sempre, situando-se nos 0,66, o que demonstra que o esforço que está a ser feito pelos portugueses tem tido resultados", afirmou o socialista numa declaração aos jornalistas, na sede do PS do Porto.

O número de novos casos positivos e óbitos atribuídos a covid-19 tem vindo a cair em toda a Europa e mesmo em países como a Suécia, que não confinou a população, segundo a base de dados da AFP.

José Luís Carneiro frisou que são igualmente positivos os números dos recursos aos cuidados hospitalares e intensivos, contudo os valores têm de baixar ainda mais.

Esse esforço, o confinamento geral obrigatório, tem de continuar nas próximas semanas para "não se deitar por terra" tudo o que tem sido feito, vincou.

É por força da necessidade de garantir que a resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS) continua a ser "eficiente e segura", quer para doentes covid-19, quer para os restantes, que o confinamento deve continuar.

E, a este respeito, o secretário-geral adjunto socialista salientou que o que está em causa não é apenas a questão das infraestruturas, mas também a "exiguidade" dos recursos humanos no setor público, social e privado.

"Em meados de março poderemos reavaliar e começarmos, então aí, a perspetivar as condições em que poderá ocorrer o desconfinamento", sublinhou.

Já sobre o processo de vacinação, José Luís Carneiro disse que se Portugal conseguir garantir a imunização de 70% da população até final de agosto estará a cumprir um "ambicioso objetivo".

"Já será [imunizar 70% da população] cumprir um objetivo ambicioso dado o atraso das farmacêuticas", ressalvou.

Em Portugal, registaram-se mais de 16 mil óbitos atribuídos a covid-19 e foram contabilizados mais de 798 mil casos positivos relativos ao novo coronavírus que provoca esta doença, de acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de