Habitação

PS mantém-se contra saldar dívida com casa em situações de incumprimento

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens
Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

A nova proposta do PS para a Lei de Bases da Habitação volta a rejeitar a entrega da casa ao banco para liquidar empréstimo.

O Partido Socialista (PS) está a preparar uma nova proposta de Lei de Bases da Habitação para incluir pareceres e as alterações legislativas produzidas pela Assembleia da República (AR) no último ano. A possibilidade da entrega da casa ao banco para liquidar o empréstimo à habitação em situação de incumprimento continuará de fora da proposta final do partido.

“O PS não admite incluir essa proposta (de dação do imóvel). Ainda não chegámos a essa fase. Estamos ainda a discutir pormenores do texto de substituição”, disse Hugo Pires, deputado do PS e coordenador do grupo de trabalho da Lei de Bases da Habitação. “Mas não fez parte do nosso projeto inicial e não fará parte do nosso projeto de lei final, da nossa proposta de substituição”, adiantou ao Dinheiro Vivo.

O novo texto está a ser preparado pela deputada Helena Roseta. “O texto inicial está um bocadinho desatualizado porque é de abril do ano passado. A AR aprovou vários diplomas. É preciso fazer ajustamentos porque a lei entretanto mudou”, disse Helena Roseta. O texto vai acomodar as críticas recebidas, o resultado do processo de audições do grupo de trabalho e todos os pareceres escritos, que superam as duas dezenas.

Chegaram ao grupo de trabalho da Lei de Bases da Habitação um total de 25 contributos escritos, incluindo da Procuradoria-Geral da República e do Conselho Superior da Magistratura.

Os partidos têm até dia 24 de abril para apresentarem alterações ou textos de substituição. Três partidos entregaram propostas de lei – PS, Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português – e três partidos vão apresentar propostas de alteração. Todas as propostas vão ser votadas na especialidade e resultarão num texto final que irá ser submetido a plenário, até ao final de maio.

Banca admite exceção

Tanto o Banco de Portugal como a Associação Portuguesa de Bancos (APB) manifestaram receios sobre a inclusão dessa medida na Lei. Mas ambos admitem que pode justificar-se a entrega do imóvel ao banco para liquidação de um empréstimo à habitação em incumprimento. Lembram que já aconteceu no tempo da troika. A exceção pode existir numa situação de crise ou em casos de famílias carenciadas.

No parecer da APB enviado ao grupo de trabalho, a representante dos bancos admite que a dação em cumprimento possa ocorrer “em determinadas situações excecionais”, como “crises económicas e sociais graves” e quando os devedores “se encontrem, também eles, em determinadas situações excecionais”. Nesses casos, considera admissível “que a dação em cumprimento possa ser configurada, independentemente do acordo do credor nesse sentido, como uma forma de extinção da obrigação do mutuário”.

Mas a APB adianta que “tal não justifica – antes inviabiliza – a consagração de tais soluções excecionais como soluções regra”. A APB frisa que “o direito à habitação não se confunde com o direito de propriedade”. E salienta que “os destinatários das disposições constitucionais relativas ao direito à habitação são o Estado, as regiões autónomas e as autarquias locais e não, ao menos em princípio, os proprietários de habitações ou os senhorios”, bancos incluídos.

No contexto da recente crise económica e social foi criada a Lei n.º 58/2012, de 9 de novembro, que veio consagrar um regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil. As medidas constantes do diploma incluíam um regime de proteção de devedores, incluindo a dação em cumprimento do imóvel hipotecado.

“Já existiu essa lei da dação, foi criada no período da troika. Não é um tabu absoluto. Já esteve em vigor durante três anos e até foi aprovada pelo CDS. E ajudou muita gente. Mas era um regime extraordinário e que já terminou”, sublinha Helena Roseta.

Leia mais: Banco de Portugal preocupado com projetos de lei de bases

Em 2018, aumentaram as dificuldades das famílias de pagarem os seus empréstimos à habitação. Segundo o Relatório de Supervisão Comportamental do Banco de Portugal, divulgado a 10 de abril, 85.238 famílias deixaram de conseguir pagar o seu empréstimo hipotecário em 2018, sendo o montante em dívida de 2.566 milhões de euros respeitantes a 55.413 contratos. O rácio de incumprimento de 1,7% no crédito à habitação em 2018 foi superior ao registado em 2017, de 1,3%.

O Bloco e o PCP defendem que a dação do imóvel para liquidar um crédito à habitação em situação de incumprimento faça parte da Lei de Bases da Habitação. Este será um dos pontos de discórdia entre os partidos.

Para a Deco, a Lei de Bases deveria contemplar uma maior proteção da morada de família para que não possa ser penhorada para pagar dívidas não relacionadas com o crédito à habitação.

O direito à habitação está consagrado na Constituição. Ao contrário da saúde e da educação, o setor nunca teve uma Lei de Bases.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
PS mantém-se contra saldar dívida com casa em situações de incumprimento