crédito à habitação

PSD apoia PS sobre entrega da casa para cumprir dívida do crédito à habitação

(Joao Silva/ Global Imagens)
(Joao Silva/ Global Imagens)

Está em curso a apresentação e discussão das propostas para a Lei de Bases da Habitação.

A proposta do PS de ser admitida a entrega da casa para cumprimento da dívida no crédito à habitação mereceu hoje, no parlamento, a aproximação do PSD, cuja posição de apoio depende da definição do conceito de forma “mais transparente”.

Em causa está a ideia de ser “admitida a dação em cumprimento da dívida, extinguindo as obrigações do devedor independentemente do valor atribuído ao imóvel para esse efeito, desde que tal esteja contratualmente estabelecido, cabendo à instituição de crédito prestar essa informação antes da celebração do contrato”, de acordo com a proposta do PS.

Na apresentação e discussão das propostas para a Lei de Bases da Habitação, processo que decorre na Assembleia da República, em Lisboa, o deputado do PSD António Costa Silva disse que a iniciativa do PS para dação em cumprimento da dívida se aproxima da posição dos sociais-democratas, ressalvando que tal tem de ficar definido “de uma forma mais transparente”.

Além da dação em cumprimento da dívida, a proposta do PS defende que “aos devedores de crédito à habitação que se encontrem em situação económica muito difícil pode ser aplicado um regime legal extraordinário de proteção, que inclua, nomeadamente, a possibilidade de reestruturação da dívida ou medidas substitutivas da execução hipotecária”.

De acordo com a deputada independente eleita pelo PS Helena Roseta, a dação em cumprimento da dívida já aconteceu aquando do período da ‘troika’ em Portugal, através de um regime extraordinário, pelo que “nada impede de se voltar a fazer aquilo que já foi feito”, uma vez que a atual regulamentação do crédito à habitação “é lesiva do interesse do consumidor”.

No projeto de lei do BE para a Lei de Bases da Habitação, os bloquistas tinham propostas que determinavam “a impenhorabilidade da casa de morada de família para satisfação de créditos fiscais ou contributivos” e “a extinção do empréstimo para aquisição de habitação própria e permanente com a entrega da habitação em causa” ao banco, mas no âmbito da apresentação de alterações decidiram recuar e apoiar as iniciativas dos socialistas nesse âmbito.

Segundo a deputada do BE Maria Manuel Rola, “é importante esta aproximação [com a proposta do PS], mas não é suficiente pela quantidade de pessoas que acabam por perder as casas”.

“Teremos que ir mais longe do que retornar à lei extraordinária”, avançou a bloquista, criticando a manutenção dos juros bonificados como política de habitação, uma vez que o PS propõe que “a despesa pública com juros bonificados no crédito à habitação própria constitui uma forma de apoio público que pode implicar a constituição de ónus”.

Por parte do PCP, os comunistas mantêm as propostas de “impenhorabilidade da casa de habitação própria e permanente satisfação de créditos fiscais, contributivos ou execução judicial de créditos” e “extinção do contrato de empréstimo para a aquisição de habitação própria e permanente com a entrega da fração ou edifício”.

Outra das temáticas abordadas foi a atividade dos condomínios, sobressaindo a proposta do CDS-PP de alteração ao texto do PS para a Lei de Bases da Habitação, uma vez que PS e PSD manifestaram o apoio à aprovação desta iniciativa dos centristas que determina que “a lei regula a atividade dos condomínios, nomeadamente ao nível da constituição de fundos de reserva, da prestação de contas e da fiscalidade, bem como a fiscalização efetiva da existência e utilização”.

O processo de criação da Lei de Bases da Habitação conta com projetos de PS, PCP e BE, iniciativas legislativas que, no processo de apreciação, mereceram um total de 84 propostas de alteração, apresentadas pelos diferentes grupos parlamentes, incluindo PSD e CDS-PP.

Em relação às habitações devolutas de propriedade pública ou privada, o PS recuou na proposta de requisição forçada, decisão que aproximou PSD e CDS-PP, enquanto o BE mantém que “podem ser requisitadas temporariamente, mediante indemnização”, o PCP sugere a expropriação ou decisão administrativa de exercício do direito de preferência e a deputada independente eleita pelo PS apresentou uma proposta de requisição apenas nos casos de devolutos por razões de heranças.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(TIAGO PETINGA/LUSA)

Procuram-se especialistas para indústria em alto voo

LISBOA, 02/05/2019  - Convidado do programa “A Vida do Dinheiro” - António Bernardo
(João Silva/Global Imagens)

António Bernardo: “O modelo económico e social europeu é um modelo de futuro”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
PSD apoia PS sobre entrega da casa para cumprir dívida do crédito à habitação