PSD

PSD: Rio diz que crescimento baseado no consumo porá troika de regresso

Rui Rio
Rui Rio

O candidato à presidência do PSD Rui Rio acusou hoje, em Barcelos, o Governo de prosseguir o crescimento económico pela via do consumo

O candidato à presidência do PSD Rui Rio acusou esta sexta-feira, em Barcelos, o Governo de prosseguir o crescimento económico pela via do consumo, alertando que esse modelo significará o regresso a Portugal de “uma ‘troika’ qualquer”.

Rio, que falava num almoço com cerca de 350 apoiantes, disse que o caminho do crescimento económico tem se assentar no aumento do investimento e das exportações.

“O crescimento económico tem de ser feito por mais exportações e mais investimento e não por mais consumo, que é aquilo que é o modelo que está atualmente no Governo, muito condicionado pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP”, referiu.

Alertou que o crescimento pela via do consumo poderá colocar Portugal novamente em situação de intervenção externa.

“Se for feito por via do consumo, acontece-nos outra vez o que nos aconteceu há uns anos atrás e temos qualquer dia outra vez uma ‘troika’ qualquer, que já cá esteve três vezes desde o 25 de abril, a bater-nos à porta”, enfatizou.

Para Rui Rio, Portugal tem de aprender com o passado e “fazer diferente”, enveredando por políticas que apoiem o investimento e as exportações.

Apelou ainda para a necessidade de o país “ter as contas em ordem”, para poder ter uma economia mais saudável, para poder pagar melhores salários e para dar melhores condições de vida às pessoas.

“Esta é que é a lógica das coisas: temos de ter as contas equilibradas porque só com contas equilibradas é que podemos ter uma economia a crescer capaz de dar aquilo que nós queremos, que é mais consumo. Mais consumo tem de ser uma consequência lógica de uma economia que produz”, disse ainda.

Para Rio, as linhas de força da sua candidatura são a competitividade da economia, a realização de reformas estruturais, uma sociedade mais coesa com uma classe média “muito grande” e o fortalecimento da democracia.

As eleições para a presidência do PSD realizam-se a 13 de janeiro, sendo os candidatos Rui Rio e Pedro Santana Lopes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
PSD: Rio diz que crescimento baseado no consumo porá troika de regresso