Eleições

Putin garante mais seis anos de poder na Rússia

EPA/YURI KOCHETKOV
EPA/YURI KOCHETKOV

O presidente russo venceu as eleições deste domingo por larga margem

Sem surpresas, Vladimir Putin foi este domingo reeleito para mais um mandato na presidência da Rússia. Segundo uma sondagem à boca das urnas realizadas logo após o encerramento das assembleias de voto, e citada pela Reuters, Putin terá garantido 73,9% dos votos.

Quando o novo mandato acabar, em 2024, o líder russo terá 71 anos de idade, sendo que 24 deles terão sido passados aos comandos do país. Putin só será ultrapassado em longevidade pelo ditador Joseph Estaline, que liderou a Rússia durante 31 anos.

“A percentagem fala por si própria. É o mandato que Putin precisa para tomar decisões no futuro, e terá bastantes para tomar”, afirmou um porta-voz da campanha ao portal russo Interfax, e citado pela BBC.

A estação britânica revela ainda que por toda a Rússia foram registadas irregularidades durante o processo eleitoral, nomeadamente com votos falsos. Ainda assim, a Comissão Nacional de Eleições russa considerou o resultado legítimo.

O candidato do Partido Comunista, Pavel Groudinine, ficou em segundo lugar com 11,2% dos votos. Logo a seguir surge o candidato ultranacionalista Vladimir Jirinovski, que reuniu 6,7% das escolhas. A contagem ficou completa com os 2,5% de votos alcançados pela jornalista Ksenia Sobtchak.

O principal rival de Putin, Alexander Navalny, foi afastado da corrida, após ter sido acusado pelas autoridades russas de violar a lei que rege a organização de manifestações.

Nas eleições de 2012, Putin tinha conquistado 63,6% dos votos. O líder russo foi eleito presidente pela primeira vez em 2000, quando os mandatos ainda tinham apenas quatro anos. Em 2008 e 2012 ocupou o cargo de primeiro-ministro da Rússia, sendo substituído na presidência por Dmitri Medvedev.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: REUTERS/Philippe Wojazer/File Photo

Comissão Europeia multa Altice em 125 milhões pela compra antecipada da PT

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Mário Centeno diz que “não há folga orçamental”

Jean-Claude Juncker, Presidente da Comissão Europeia.  EPA/PATRICK SEEGER

Bruxelas pode fazer cortes de 6% em coesão e agricultura

Outros conteúdos GMG
Putin garante mais seis anos de poder na Rússia