Hackers

Cibersegurança: Quanto custa influenciar uma eleição?

Fotografia: DR
Fotografia: DR

De acordo com a consultora de cibersegurança Trend Micro, são precisos 400 mil dólares para conseguir influenciar uma eleição

Esta é a quantia necessária, cerca de 352 mil euros, para comprar seguidores nas redes sociais, como o Facebook ou o Twitter, contratar companhias para escrever e disseminar notícias falsas durante um período de 12 meses e controlar websites que influenciem a opinião pública, de acordo com Udo Schneider, um especialista em cibersegurança da Trend Micro para o mercado alemão, avança a Bloomberg.

Durante uma conferência sobre segurança em Berlim, na última quarta-feira, Schneider afirmou que “hackear o atual processo eleitoral não vale a pena porque deixa rasto, é muito caro e bastante desafiador a nível tecnológico”. No entanto, influenciar a opinião pública através de notícias falsas e revelar informações secretas – tal como se acredita que tenha acontecido nas eleições americanas e francesas -, é relativamente simples e “pode vir a acontecer nas eleições alemãs”, disse o especialista em segurança.

Políticos alemães estão preocupados que as eleições do dia 24 de setembro – em que Merkel vai tentar conquistar o quarto mandato -, possam vir a ser influenciadas. Especialistas em segurança informática apontam a Rússia como um impulsionador de notícias falsas e um silencioso apoiante de hackers, que têm na mira o parlamento alemão. A Rússia tem repetidamente negado o seu envolvimento em tentar influenciar eleições estrangeiras.

A Alemanha tem tentado reforçar as defesas, com as forças armadas a criarem uma nova unidade de segurança cibernética que em breve terá 13.500 funcionários. Em maio, o BSI, a maior agência de segurança tecnológica do país, reuniu-se com a agência francesa de segurança online para tentar recolher informações sobre o ataque que tinha como alvo a campanha eleitoral de Emmanuel Macron.

As autoridades alemãs estão confiantes sobre a proteção durante o processo de contagem de votos, que é maioritariamente feita por telefone e em mãos, e já alertaram a nível local e regional os oficiais encarregues de fazer a contagem sobre as potenciais ameaças que podem vir a acontecer, disse Andreas Koenen, que controla uma divisão de segurança tecnológica no governo alemão.

No entanto, mesmo que a Alemanha tenha aumentado as suas defesas, pode ser tarde de mais. Pawn Storm, um grupo de hackers que se pensa estar ligado à Rússia, conseguiu em 2015 “hackear” uma rede de informação tecnológica do parlamento alemão e roubar cerca de 16 gigabytes de emails e outras informações. Até agora ainda não foi revelado o conteúdo roubado, mas muitos advogados estão à espera que os hackers revelem a informação pouco tempo antes das eleições, de modo a causar impacto nos resultados finais.

Se os hackers tiverem tido acesso a material importante, então vão revelá-lo logo antes das eleições, disse Rieger, da Chaos Computer Club, uma associação de hackers alemães.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Base Aérea n.º 6, no Montijo, que será adaptada para a aviação civil caso aí avance a construção do novo aeroporto de Lisboa. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Montijo: Novo aeroporto já tem luz verde definitiva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva  (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Ministro defende atuação do Governo: Portugal “fará o que tem feito”

Cláudia e Paulo Azevedo
(José Carmo/Global Imagens)

Sonae “está a acompanhar com atenção e preocupação”

Cibersegurança: Quanto custa influenciar uma eleição?