Trabalho

Quase metade das horas extra ficou por pagar em 2019

(Foto: CHARLY TRIBALLEAU / AFP)
(Foto: CHARLY TRIBALLEAU / AFP)

Perto de um milhão de pessoas trabalhou mais de 40 horas por semana. Mais de 226 mil portugueses têm dois empregos.

Os trabalhadores portugueses fizeram mais de 4,7 milhões de horas extraordinárias por semana, no ano passado. E quase metade ficou por pagar, aproximadamente 48,5%. Estes valores resultam dos cálculos efetuados pelo Dinheiro Vivo com base nos dados pedidos ao Instituto Nacional de Estatística (INE), recolhidos através do inquérito ao emprego.

O número de horas extraordinárias que não são pagas tem vindo a diminuir nos últimos anos, afastando-se dos máximos registados entre 2012 e 2015, que compreende o período da crise económica e da intervenção da troika.

Em média, os trabalhadores por conta de outrem (TCO) fizeram 8 horas extraordinárias por semana, menos uma do que em 2018, mas apenas cerca de quatro foram pagas (3,9 horas). De acordo com os cálculos do Dinheiro Vivo, com base nos dados facultados pelo INE, isso significa que poderiam, em teoria, ser criados 57 mil empregos a tempo inteiro (40 horas por semana) para ocupar essas horas extraordinárias.

Por oposição, no ano passado, 51,5% das horas extra foram pagas, aumentando face a 2018, quando pela primeira vez desde 2011 mais de metade (50,6%) das horas a mais foram remuneradas.

De acordo com os cálculos do DV, mais de 592 mil pessoas fizeram horas extraordinárias, correspondendo a 14,5% dos trabalhadores por conta de outrem. Em termos absolutos é o valor mais elevado desde o início da atual série em 2011 e em proporção iguala os anos de 2017 e 2014.

Quase um milhão trabalha mais de 40 horas

O valor não é o recorde da série, mas começa a aproximar-se da cifra registada entre 2011 e 2014 quando ultrapassou um milhão de trabalhadores que no inquérito ao emprego responderam trabalhar 41 ou mais horas por semana.

No ano passado, mais de 980 mil empregados por conta de outrem disseram que a jornada semanal foi acima do limite estipulado por lei para o setor privado (no público a semana normal de trabalho é de 35 horas). Este número corresponde a um quinto da população empregada, aumentando face a 2018, quando 956 mil pessoas disseram ter um horário a ultrapassar as 40 horas.

De acordo com os dados divulgados pelo INE, mais de metade dos portugueses empregados por conta de outrem trabalha entre 36 a 40 horas por semana, correspondendo a mais de 2,5 milhões de pessoas. Trata-se do valor mais elevado desde o início da presente série que começou em 2011.

As maiores descidas verificaram-se entre 2012 e 2013, uma evolução que não será alheia à quebra do emprego verificada durante o período da crise financeira.

E mais com segundo emprego e com turnos

No ano passado também se verificou um aumento no número de portugueses com um segundo emprego, tendo atingido o valor mais elevado desde 2012. No conjunto do ano, quase 226 mil pessoas tinham dois trabalhos, correspondendo a 4,6% da população empregada.

Só em 2011 é que se encontra um número mais expressivo, com 235 mil pessoas a responderem ter uma segunda ocupação. Nesse ano correspondia a 5% da população empregada no país.

Também no ano passado, o número de trabalhadores a fazerem turnos atingiu o valor mais alto da série, com quase 796 mil pessoas a responderem terem feito diferentes horários, correspondendo a 16,2% da população empregada.

É a primeira vez, desde o início da série em 2011 que a proporção de trabalhadores por conta de outrem em turnos ultrapassa os 16% do total das pessoas com emprego.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Rui Oliveira / Global Imagens)

Marcas aceleram nas promoções para tirar travão nas vendas

Fotografia: Gonçalo Delgado/Global Imagens

Resposta à pandemia traz riscos de má gestão e corrupção do dinheiro público

Restauração recuperou volume de negócios

CIP: 61% das empresas ainda não recebeu financiamento

Quase metade das horas extra ficou por pagar em 2019