Quebra no consumo das famílias nunca foi tão grande

Compras vão aumentar
Compras vão aumentar

Os portugueses estão a cortar drasticamente no consumo e já não evitam apenas os bens menos essenciais como estão a cortar nos artigos de primeira necessidade.

De acordo com o estudo da Kantar WorldPanel divulgado hoje, a quebra no consumo no primeiro semestre foi de 3,7%, um número nunca antes visto.

Paulo Caldeira, diretor de Marketing da empresa, explica que “é a maior queda de sempre” e que o impacto é redobrado porque “no ano passado tínhamos assistido a uma subida porque as pessoas estavam a cortar nas idas aos restaurantes e a consumir mais para casa”.

Este ano, os portugueses estão diferentes e, apesar de continuarem a ir ao supermercado com a mesma frequência, à saída levam menos compras. Contas feitas, a cada visita compram menos 4,9% e estes cortes estão a afectar produtos que antes consideravam essenciais: os produtos lácteos caíram 7,1% e as Bebidas 5,9%.

Apesar disto, a queda é praticamente transversal a todas as macro-categorias, com excepção dos congelados e da comida pronta ou de take away, que mantêm os níveis e confirmam a tendência de se procurarem produtos rápidos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Saída de clientes da EDP já supera as entradas

Outros conteúdos GMG
Quebra no consumo das famílias nunca foi tão grande