perfil

Quem é o homem que tramou Temer?

temer

Joesley Batista, 44 anos, casado com apresentadora de televisão, passou de médio empresário a magnata das carnes

“Estou perplexo com a dimensão da corrupção no Brasil, com a qual tenho contacto apenas através da televisão”, dizia em entrevista em fevereiro ao jornal Folha de S. Paulo Joesley Batista, o homem que gravou conversa com Michel Temer e pode levar à queda do presidente do Brasil. Na mesma entrevista, o empresário do ramo da produção de carnes considerava “maldosas” as notícias dando conta de que iria assinar um acordo com a justiça para se tornar delator e que “nunca, jamais” havia subornado Eduardo Cunha, o ex-presidente da Câmara dos Deputados hoje detido na Lava-Jato.

Nas últimas horas o Brasil acordou – perplexo – com a informação de que, afinal, Batista havia assinado acordo de delação premiada com a justiça, assumira perante Temer que pagava generosas mesadas a Cunha, ao que parece com o consentimento do chefe de Estado, e era um dos pilares do esquema de corrupção entre grandes empresas e o estado investigado na Lava-Jato.

Joesley, o mesmo que disse um chorrilho de mentiras ao maior jornal brasileiro e entrou menos de um mês depois na residência oficial do Presidente com um gravador no bolso, sempre foi o mais ousado dos irmãos Batista. Ele, de 44 anos, com José Junior e Wesley, fundou a JBS, em alusão ao nome do pai dos três, José Batista Sobrinho, uma companhia que começou por ter impacto meramente regional no interior do estado do Goiás mas que a partir de 2006 foi crescendo até se tornar a segunda maior do mundo no seu ramo.

A JBS beneficiou dos anos dourados do consulado de Lula à frente do país, quando o BNDES, banco estatal de desenvolvimento, investiu milhões e milhões de reais num grupo de empresas. Principalmente naquelas a que Lula chamou de “campeãs nacionais”, ou seja, capazes de se tornarem referências mundiais em áreas onde o Brasil é competitivo.

Eike Batista, o magnata que chegou a sétimo mais rico do mundo segundo a Forbes, foi um dos beneficiados com a generosidade do BNDES, na área do petróleo – hoje cumpre pena de prisão domiciliar por corrupção e está falido. A Odebrecht, outra escolhida, tornou-se a construtora do regime, multiplicando a sua fortuna – nos dias que correm a companhia é sinónimo de corrupção no país, com sete dezenas de executivos, incluindo o seu presidente Marcelo Odebrecht, na prisão. A Oi, cuja telenovela sobre a sua decadência atravessou as duas margens do Atlântico, era a “campeã nacional” da área das telecomunicações. E a JBS a do setor dos embutidos, com marcas de expressão internacional como a Friboi, a Seara ou a Swit, entre outras.

Joesley Batista, casado desde 2012 com Ticiana Villas-Boas, uma apresentadora de televisão nove anos mais nova, para animar a festa do seu casamento para 600 convidados conseguiu juntar a cantora baiana Ivete Sangalo e a dupla sertaneja Bruno & Marrone, recordistas de vendas nos seus segmentos musicais. Ticiana gastou 100 mil euros só para acessórios do seu vestido de noiva, desenhado de propósito por Karl Lagerfeld. Os Batista estavam milionários – e queriam que toda a gente soubesse.

A acumulação de bens e património de Joesley e dos irmãos só sofreu um revés: foi em março deste ano quando os setores de produção da JBS foram envolvidos no escândalo de corrupção a fiscais do ministério da Agricultura, na Operação Carne Fraca. Países de todo o mundo interromperam a importação de carne brasileira e a economia local, já se si deteriorada, sofreu forte abalo. O Presidente da República Michel Temer interveio de propósito, em auxílio do setor das carnes, comendo bifes com embaixadores e enviando memorandos para homólogos seus de todo o mundo.

O tal encontro que pode fazer cair Temer ocorreu dez dias depois da deflagração da Operação Carne Fraca, por volta das 23 horas no Palácio do Jaburu, a residência oficial do atual presidente brasileiro. Antes da reunião que gravou com um microfone escondido de bolso, Joesley havia combinado com a polícia pagar o equivalente a 70 milhões de euros e ainda denunciar quem fosse necessário, presidente da República incluído, em troca de lhe ser permitido fugir para os Estados Unidos, onde a JBS vinha investindo a maioria do seu capital nos últimos meses.

Ticiana Villas-Boas, a apresentadora do reality show do canal SBT “Duelo de Noivas” sabia do esquema do marido e gravou por antecipação os quatro últimos programas da série. Está com Joesley, entretanto alvo de ameaças de morte, no apartamento da família na Quinta Avenida, em Manhattan, a ver de longe os efeitos brutais da sua delação. “Peço desculpa, não honramos de facto os nossos valores em diversos momentos com o poder público brasileiro”, disse em nota o dono da JBS, pronto para recomeçar a vida de milionário em Nova Iorque.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Tiago Melo

Crédito chega às famílias mas nunca foi tão baixo para as empresas

Francisco de Lacerda, CEO dos CTT

Especuladores têm aposta de 35 milhões na queda das ações dos CTT

Foto: DR

Luta pelos cargos de topo do BCE aquece. Espanha favorita no primeiro round

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Quem é o homem que tramou Temer?