Greve dos motoristas

Quem é o mediador dos motoristas?

O vice-presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, Bruno Fialho, à chegada à Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.  FOTO: RODRIGO ANTUNES/LUSA
O vice-presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, Bruno Fialho, à chegada à Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho. FOTO: RODRIGO ANTUNES/LUSA

Bruno Fialho é um advogado que divide o seu tempo entre a defesa dos interesses dos tripulantes de aviões e uma consultora imobiliária

Bruno Fialho, que acaba de dar a cara como mediador do conflito que opõe motoristas e patrões e que se traduz já em quatro dias de greve, é atualmente vice-presidente do Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), mas soma já sete anos de experiência como dirigente desta estrutura sindical que representa tripulantes de companhias aéreas como a TAP ou a Ryanair. É dado como um profissional de larga experiência em negociações de caráter laboral.

Bruno Fialho surgiu hoje ao lado do presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) para a reunião que deveria ter lugar na Direção Geral do Emprego e Relações do Trabalho entre sindicalistas e patrões, mas à qual a ANTRAM sempre disse que não compareceria enquanto não fosse desconvocada a greve. Bruno Fialho foi convidado pelo SNMMP para mediar este conflito. Francisco São Bento, presidente do SNMMP, disse mesmo que Fialho “é um amigo”.

Licenciado em Direito, Bruno Fialho é habitualmente o porta-voz do SNPVAC e tem marcado presença assídua na comunicação social defendo os interesses dos tripulantes dos aviões. Greves de pessoal de voo, posições sobre a política das companhias aéreas e análises ao setor têm muitas vezes o rosto de Bruno Fialho. O advogado foi muito critico da privatização da TAP.

Bruno Fialho divide o seu tempo entre o sindicalismo e a BFVM Consulting, empresa onde assume a função de CEO e partner. A BFVM atua na área da consultoria, investimento e gestão imobiliária. Tem foco no apoio a investimentos imobiliários passíveis de garantir a atribuição do ‘Golden Visa’ e também apoia os estrangeiros aposentados que querem viver em Portugal.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Quem é o mediador dos motoristas?