Sucesso Made in Portugal

“Quem sai da faculdade hoje não tem como objetivo comprar um carro”

A carregar player...

O administrador da Bosch falou sobre a fase de transição que a economia vive, em que “as dez maiores empresas do mundo são digitais, não são físicas”

Os talentos da Bosch, assegurou Jónio Reis, “estão aptos para responder a esses novos requisitos do mercado”. O conflito entre o físico e o digital também existe no seio da multinacional, cuja ambição é “ter todos os produtos conectados”, e a breve prazo porque “a indústria 4.0 não vem aí, já chegou”. O responsável falava na conferência do sétimo aniversário do Dinheiro Vivo, que teve lugar esta terça-feira no CCB, em Lisboa.

Ainda no que toca à resposta aos novos desafios tecnológicos da indústria, Jónio Reis sublinhou a aposta da Bosch, e não só, em Portugal, devido à qualidade dos recursos humanos.

“A geração millennial é uma referência para a Bosch que, sistematicamente, tem inaugurado no país centros de desenvolvimento e inovação. São muito importantes as parcerias com as universidades, porque a qualidade da educação e dos recursos humanos é exemplar. Não é por acaso que a quantidade de empresas que se instalam cá está a aumentar”.

O responsável destacou ainda que o talento não é exclusivo da geração millennial e que será um desafio “social e cultural” ter pela primeira vez “avós, pais e netos a conviver no mesmo espaço industrial com robôs”. Vai requerer de todos um grande esforço, concluiu porque “todos têm de ser motivados”.

Questionado sobre a dificuldade de atrair e reter talentos em Portugal, Jónio Reis congratulou-se por 99% dos trabalhadores da Bosch no país serem portugueses. Mas admitiu que há dificuldades na hora de contratar, por causa da subida dos salários e não só.

“Para os engenheiros de software os salários terão subido entre 15% a 20% nos últimos dois anos. Fora dos grandes centros ainda é mais difícil atrair e reter talento. E isso não se faz só pelo salário. Na minha geração o sonho era sair da faculdade e comprar um carro. Hoje quem sai da universidade dificilmente terá esse objetivo. A captação e retenção de talento mudou muito em relação há dez anos”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
“Quem sai da faculdade hoje não tem como objetivo comprar um carro”