Trabalho

Quer viajar por um ano? Aqui há estágios pagos pela Europa

(Imagem de Jan Vašek por Pixabay)
(Imagem de Jan Vašek por Pixabay)

Há ofertas específicas para quem fala português fluente, para passar uma temporada em Paris, Amesterdão ou Barcelona.

Há ofertas para todos os gostos, níveis de formação, áreas de interesse, duração e expectativas. E é fácil fazer a correspondência entre aquilo que procura e as ofertas disponíveis por toda a Europa. Basta abrir o site da Erasmus Intern e marcar os itens da sua preferência para filtrar resultados. Algumas respondem mesmo a quem tem a vantagem de falar português, como é o caso das ofertas de estágios remunerados que aqui reproduzimos.

É meia dúzia de propostas centrada precisamente na capacidade de falar fluentemente a língua de Camões, para passagens por períodos que vão de 3 meses a um ano em destinos como Barcelona, Amesterdão, Paris ou Atenas.

A espanhola Swipcar, por exemplo, procura licenciados (bacharelato) em gestão, engenharia, tecnologia ou ciências sociais para durante seis meses integrar a equipa de vendas, para “apoiar o desenvolvimento da empresa no mercado português”, a partir de Barcelona, entre 1 de outubro e 31 de março de 2020. O salário não é especificado, mas é garantido. Candidaturas aceites até 30 de setembro. Veja mais aqui.

E se pudesse passar um ano a viver em Atenas, com emprego full time garantido e quase só lhe pedissem que falasse português fluentemente? Bom, quase, porque é requisito para este estágio ter participação em Erasmus+ ou no Horizonte 2020. Mas compensa confirmar, até porque a oferta da Randstad para um estágio de um ano no serviço aos clientes portugueses não requer experiência prévia. Entre os benefícios elencados, contam-se 14 meses de salário, acompanhamento pessoal e profissional, ajudas de custo para realojamento, lições de grego, casa, transporte, seguro de saúde e senhas de refeição. Pode candidatar-se, até 30 de setembro, quem tenha estudos na área de gestão, ciências da comunicação e tecnologia, entre outras. Saiba mais aqui.

A própria Erasmusu, braço online de programas europeus como o Erasmus, Leonardo ou Eurodyssee, procura quem fale português para estágios de três meses que implicam semanas de apenas 3 a 4 dias de trabalho. As funções requeridas, que implicam pagamento e não obrigam a experiência prévia, passam pelo marketing e pela criação e tradução de conteúdos escritos relacionados com viagens. Os candidatos aceites podem ficar em Murcia, Espanha, ou trabalhar online. Candidaturas até 2 de outubro. Veja mais aqui.

Também em Espanha, mas desta vez Barcelona, é onde tem lugar a oferta da S2M, que procura estagiários que falem português fluente para colaborar nas vendas B2B em áreas como IT, tecnologia, software e finanças, em ambiente industrial. O compromisso em full time terá a duração de seis meses e promete, além de compensação financeira, um subsídio de refeição. Candidaturas só até 31 de agosto. Veja mais aqui.

De duração variável entre 3 e 12 meses, a francesa Toluna oferece estágios pagos em marketing e marketing digital, para garantir apoio nos seus escritórios de Paris e, a partir daí, reforçar o desenvolvimento dos mercados EMEA e LATAM. A ideia é ter responsabilidades nas páginas de social media da empresa e ajudar a ganhar notoriedade, entre outras funções, oferecendo-se em troca um salário bruto de 700 euros mensais, acrescido de senhas de refeição e subsídio de transportes. As candidaturas terminam a 30 de novembro. Saiba mais aqui.

Se a ideia de passar uma temporada em Amesterdão o atrai, a oferta da Icecat é para si. A empresa de conteúdos para IT, Telecomunicações, CE, escritórios e iluminação te lugares disponíveis quer em vendas quer em marketing e pede estagiários fluentes em português, além de dominarem o inglês. Não é preciso ter experiência prévia. A empresa paga salário e transportes locais. Candidaturas até 7 de outubro. Leia mais aqui.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Quer viajar por um ano? Aqui há estágios pagos pela Europa