Turismo

Receitas do turismo crescem 5% entre janeiro e março após recorde de 2018

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo. Fotografia: Paulo Spranger/ Global Imagens
Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo. Fotografia: Paulo Spranger/ Global Imagens

Apesar dos dados animadores, Ana Mendes Godinho disse que "há muito feito e há muito para fazer" e realçou a grande dinâmica que se verifica no setor.

As receitas turísticas tiveram um crescimento de 5% entre janeiro e março deste ano, após o recorde que o país já tinha atingido em 2018, lembrou hoje a secretária de Estado do Turismo.

“Tivemos um crescimento sobre o recorde que tínhamos tido em 2018, as receitas [turísticas] cresceram 5% de janeiro a março”, afirmou Ana Mendes Godinho, citando dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal.

O Banco de Portugal divulgou hoje que as receitas turísticas atingiram os 2.732 milhões de euros, um crescimento de 5,3% face aos primeiros três meses do ano passado.

A governante falava durante a 6.ª edição do Fórum de Turismo Interno “Vê Portugal”, que decorre em castelo branco até quarta-feira.

Ana Mendes Godinho realçou ainda que o crescimento verificado entre janeiro e março deste ano, não incluiu o período da Páscoa que este ano foi em abril.

“Mesmo assim, conseguimos crescer 5% da receita, muito alavancado por mercados que viajam ao longo de todo o ano, como é o caso do mercado dos Estados Unidos da América”, explicou.

A secretária de Estado sublinhou, no entanto, que os portugueses constituem o principal mercado, recordando que em 2018 totalizaram 9,8 milhões de hóspedes no alojamento turístico.

“Isto representa um crescimento de 35% face a 2015. Em números absolutos, tivemos mais 2,6 milhões de hóspedes portugueses a descobrirem Portugal” sustentou.

Apesar dos dados animadores, Ana Mendes Godinho disse que “há muito feito e há muito para fazer” e realçou a grande dinâmica que se verifica no setor.

“O grande desafio é continuar esta grande dinâmica, equilibrar a procura no território e desconcentrar para evitar a sobrecarga”, frisou.

Para a governante, o turismo é “uma grande arma para abrir o mapa de Portugal” e para ser um instrumento de coesão territorial do país.

E, como prova disso, deu mais um exemplo: “Entre 2015 e 2017, as dormidas no dito interior de Portugal cresceram 1,4 milhões”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Receitas do turismo crescem 5% entre janeiro e março após recorde de 2018