Brexit

Reino Unido. FMI alerta para “incerteza substancial”

REUTERS/ Phil Noble
REUTERS/ Phil Noble

O Fundo antecipou que um 'Brexit' sem acordo pode penalizar o crescimento global.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve a sua estimativa para o crescimento da economia do Reino Unido em 2019, mas alertou para a “incerteza substancial” desta previsão e antecipou que um ‘Brexit’ sem acordo pode penalizar o crescimento global.

Na atualização ao ‘World Economic Outlook’ (WEO), relatório com previsões económicas mundiais divulgado hoje, o FMI manteve a previsão de crescimento da economia do Reino Unido para 2019, de 1,5%, deixando também inalterada a estimativa de uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) britânico de 1,4% em 2018.

Já para 2020, o Fundo reviu em alta a previsão de crescimento do PIB britânico em 0,1 pontos percentuais para 1,6%, face à estimativa de outubro.

A instituição liderada por Christine Lagarde refere que a previsão de crescimento de cerca de 1,5% da economia do Reino Unido em 2019-2020 pressupõe que será alcançado um acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia (‘Brexit’) em 2019, e que haverá uma transição gradual para o novo regime, alertando, contudo, para a grande incerteza que envolve esta estimativa.

“Existe uma incerteza substancial em torno da projeção de referência de cerca de 1,5% de crescimento no Reino Unido em 2019-20. A projeção inalterada em relação ao WEO de outubro de 2018 reflete a compensação do efeito negativo da incerteza prolongada sobre o resultado do ‘Brexit’ e o impacto positivo do estímulo orçamental anunciado para 2019”, lê-se no documento hoje divulgado.

No entanto, o Fundo refere que, à data, “a forma que o ‘Brexit’ assumirá permanece altamente incerta” e a instituição alerta que a saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo pode penalizar o crescimento global.

“Uma série de fatores, além da escalada das tensões comerciais, poderia deflagrar numa deterioração adicional do sentimento de risco, com implicações adversas no crescimento [global], especialmente devido aos elevados níveis de dívida pública e privada”, indica a instituição liderada por Christine Lagarde, acrescentando que “esses potenciais gatilhos incluem uma saída ‘sem acordo’ do Reino Unido da União Europeia e uma desaceleração maior do que a prevista na China”.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anuncia hoje o seu plano B para o ‘Brexit’, na sequência da rejeição do acordo na terça-feira, por 432 contra 202 votos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Reino Unido. FMI alerta para “incerteza substancial”