Energia

REN compra empresa de transporte de eletricidade no Chile por 167 milhões

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: Mário Cruz/Lusa
Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: Mário Cruz/Lusa

O plano estratégico da REN assenta numa estratégia de investimento internacional com o objetivo de compensar o menor crescimento em Portugal.

Em comunicado, a REN – Redes Energéticas Nacionais revelou a assinatura de um contrato com as empresas Compañia General de Eletricidad e Naturgy Inversiones Internacionales para a aquisição de 100% da Empresa de Transmisión Elétrica Transeme, por 167 milhões de euros.

O contrato prevê ainda que a conclusão da transação e a efetiva aquisição da Transemel pelo grupo REN se realize no início de outubro de 2019.

A Transemel possui e opera 92 Kms de linhas de transmissão elétrica e 5 subestações, localizadas maioritariamente no norte do Chile, uma região marcada pela forte influência da indústria mineira, estando uma das subestações localizada perto da maior mina de cobre do Mundo, em Calama, e pela crescente predominância de projetos de produção de energia renovável, fruto do grande potencial solar nessa zona do país, justifica a REN.

“Para a concretização desta oportunidade de investimento foi fundamental o conhecimento que a REN e as suas equipas operacionais detêm sobre o sector do transporte de energia elétrica em Portugal, bem como os níveis de eficiência e qualidade de serviço, que colocam a REN entre os melhores operadores de redes de transporte de energia a nível mundial. Este é o segundo investimento da REN no Chile, onde detém, desde 2017, uma participação na empresa Electrogas, que opera o gasoduto que abastece de gás natural as principais geradoras de eletricidade do país e os distribuidores residenciais da cidade de Santiago do Chile”, refere o mesmo comunicado.

Diz a Redes Energéticas Nacionais que a operação se enquadra no “plano estratégico da REN, que assenta numa estratégia de investimento internacional conservadora e com o objetivo de compensar o menor crescimento em Portugal”. Esta maior presença no país permite um maior foco numa única geografia já conhecida pela empresa, na qual tem tido uma boa experiência onde poderá potenciar a sua capacidade técnica.

“Apesar de se manter atenta a oportunidades de investimento no estrangeiro, Portugal é o foco principal e mercado natural da REN, onde continuará a investir para garantir as necessidades de infraestruturas de eletricidade e gás natural a longo prazo, com uma orientação permanente para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço, a fim de fornecer um serviço fiável, seguro e eficiente ao menor custo possível para o país e para os consumidores. A transição energética que está em fase de execução em Portugal apresenta desafios muito importantes e para os quais a REN se sente totalmente preparada. O crescimento da REN fora de Portugal, apesar de modesto, amplifica a sua capacidade de trabalho e cria melhores oportunidades para o futuro da empresa”, garante a empresa em comunidade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa e Silva, responsável pelo plano para a economia nacional nos próximos dez anos.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Plano de Costa Silva. As bases estão lá, falta garantir boa execução

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Risco de austeridade? “Depende de como evoluir a economia”

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )Filipe Santos
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Há um conjunto de empreendedores que vai continuar

REN compra empresa de transporte de eletricidade no Chile por 167 milhões