Energia

REN compra empresa de transporte de eletricidade no Chile por 167 milhões

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA
Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

O plano estratégico da REN assenta numa estratégia de investimento internacional com o objetivo de compensar o menor crescimento em Portugal.

Em comunicado, a REN – Redes Energéticas Nacionais revelou a assinatura de um contrato com as empresas Compañia General de Eletricidad e Naturgy Inversiones Internacionales para a aquisição de 100% da Empresa de Transmisión Elétrica Transeme, por 167 milhões de euros.

O contrato prevê ainda que a conclusão da transação e a efetiva aquisição da Transemel pelo grupo REN se realize no início de outubro de 2019.

A Transemel possui e opera 92 Kms de linhas de transmissão elétrica e 5 subestações, localizadas maioritariamente no norte do Chile, uma região marcada pela forte influência da indústria mineira, estando uma das subestações localizada perto da maior mina de cobre do Mundo, em Calama, e pela crescente predominância de projetos de produção de energia renovável, fruto do grande potencial solar nessa zona do país, justifica a REN.

“Para a concretização desta oportunidade de investimento foi fundamental o conhecimento que a REN e as suas equipas operacionais detêm sobre o sector do transporte de energia elétrica em Portugal, bem como os níveis de eficiência e qualidade de serviço, que colocam a REN entre os melhores operadores de redes de transporte de energia a nível mundial. Este é o segundo investimento da REN no Chile, onde detém, desde 2017, uma participação na empresa Electrogas, que opera o gasoduto que abastece de gás natural as principais geradoras de eletricidade do país e os distribuidores residenciais da cidade de Santiago do Chile”, refere o mesmo comunicado.

Diz a Redes Energéticas Nacionais que a operação se enquadra no “plano estratégico da REN, que assenta numa estratégia de investimento internacional conservadora e com o objetivo de compensar o menor crescimento em Portugal”. Esta maior presença no país permite um maior foco numa única geografia já conhecida pela empresa, na qual tem tido uma boa experiência onde poderá potenciar a sua capacidade técnica.

“Apesar de se manter atenta a oportunidades de investimento no estrangeiro, Portugal é o foco principal e mercado natural da REN, onde continuará a investir para garantir as necessidades de infraestruturas de eletricidade e gás natural a longo prazo, com uma orientação permanente para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço, a fim de fornecer um serviço fiável, seguro e eficiente ao menor custo possível para o país e para os consumidores. A transição energética que está em fase de execução em Portugal apresenta desafios muito importantes e para os quais a REN se sente totalmente preparada. O crescimento da REN fora de Portugal, apesar de modesto, amplifica a sua capacidade de trabalho e cria melhores oportunidades para o futuro da empresa”, garante a empresa em comunidade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
REN compra empresa de transporte de eletricidade no Chile por 167 milhões