Habitação

Rendas aumentaram 1,1% em fevereiro e subida chegou a todo o país

Lagoa do Fogo, na ilha de São Miguel. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens
Lagoa do Fogo, na ilha de São Miguel. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

As rendas de casas registaram em fevereiro uma subida homóloga de 1,1%. Este aumento foi sentido em todo o país.

O ano começou com as rendas de habitação a registar um aumento de 0,7% face a janeiro de 2017 e em fevereiro a tendência foi novamente de subida e ainda mais acentuada. De acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística o acréscimo foi agora de 1,1%, superando em 0,4 pontos percentuais o valor apurado em janeiro.

Esta média nacional tem por trás variações regionais distintas sendo que, em fevereiro, a região com a variação homóloga mais elevada foi os Açores, onde o valor médio das rendas avançou 1,8% entre fevereiro de 2017 e o mesmo mês deste ano.

Na evolução mensal, o INE dá conta de uma subida de 0,2% valor médio das rendas de casa por metro quadrado, em linha com o observado no mês anterior. Mais uma vez, foi nos Açores que os preços tiveram a maior subida (0,4%).

A habitação é uma das parcelas que integra o cabaz que mede a taxa de inflação que, segundo a autoridade estatística nacional, diminuiu em fevereiro para 0,6% (face ao valor observado em fevereiro de 2017).

Estes 0,6% (que coincide com o valor avançado a 28 de fevereiro na estimativa rápida) traduzem uma descida de 0,4 pp face à inflação homóloga registada em janeiro. O vestuário e o calçado mantiveram o perfil negativo já observado no mês anterior (impulsionado pela época de saldos), ainda que este efeito se tenha atenuado.

Nas restantes categorias de produtos que integram o cabaz que mede o pulso à evolução dos preços, a habitação, água, luz, gás e outros combustíveis tiveram acréscimos homólogos mais elevados do que no primeiro mês deste ano.

Já a inflação média dos últimos 12 meses (que em dezembro corresponde à taxa de inflação anual) chegou a fevereiro nos 1,3% – em linha com o valor de janeiro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Rendas aumentaram 1,1% em fevereiro e subida chegou a todo o país