Imobiliário

Rendas das casas no Porto cresceram 22,8%

O Porto tem atraído as atenções de empresas multinacionais. Fotografia: D.R.
O Porto tem atraído as atenções de empresas multinacionais. Fotografia: D.R.

Dados são do Índice de Rendas Residenciais do Confidencial Imobiliário

As rendas residenciais no Porto aumentaram 22,8% no último ano. Os dados são do Índice de Rendas Residenciais (IRR) da Confidencial Imobiliário e referem-se ao segundo trimestre do ano, mostrando “nova aceleração” no ritmo de subida das rendas na cidade que, no primeiro trimestre, ultrapassou, pela primeira vez, a marca dos 20%.

“Desde final de 2015 que as rendas da habitação no Porto evidenciam um ciclo inquebrável de subidas anuais, intensificado de forma expressiva a cada trimestre. De tal forma que, a variação homóloga de 0,3% registada pelo IRR no quarto trimestre de 2015 compara com os 7,6% e 15,6% observados, respetivamente, um e dois anos mais tarde”, destaca o Confidencial Imobiliário em comunicado.

Comparativamente ao trimestre anterior, as rendas no Porto cresceram 5,2%, entre abril e junho, sendo este o terceiro trimestre consecutivo em que o IRR apresenta variações em cadeia acima dos 5%.

Mas esta é uma realidade que não se estende aos restantes concelhos do Grande Porto, nos quais o valor dos arrendamentos subiu 11% no segundo trimestre, que compara com os 11,6% do período de janeiro a março de 2018. “Este mercado começou a recuperar cerca de um ano antes do Porto, após as rendas terem atingido o seu ponto mínimo no início de 2014. Mas foi sempre um mercado de variações mais suaves, o que faz com que o gap entre o momento atual e o mínimo seja de 20,1%, enquanto que no concelho do Porto seja superior a 40% (o ponto mínimo foi na segunda metade de 2015)”, refere o comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

Salvador de Mello
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Saúde não pode andar “ao sabor de ventos políticos”

Outros conteúdos GMG
Rendas das casas no Porto cresceram 22,8%