Habitação

Rendas deverão aumentar 1,15% em 2019

Fisco alarga controlo da dados para apanhar rendas paralelas

No próximo ano, os senhorios poderão propor aos inquilinos uma atualização das rendas de 1,15% de acordo com os dados da inflação agora divulgados.

Será ainda preciso esperar por setembro para confirmar os valores da taxa de inflação que servem de referência à atualização anual das rendas, mas a informação preliminar, divulgada esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, dá já uma ideia de quanto é que as rendas poderão aumentar em 2019, colocando a fasquia em 1,15%.

A inflação média nos últimos 12 meses apurada em agosto, sem habitação, é o valor que serve de referência a esta atualização das rendas, que abrange todos os contratos habitacionais posteriores a 1990 e os não habitacionais realizados após 1995.

Novos valores
Em termos práticos, isto significa que uma pessoa que pague agora uma renda de 275 euros deve preparar-se para pagar mais três euros quando chegar a data da renovação anual do contrato. No casos das rendas antigas, a atualização é devida em janeiro

Já uma renda de 500 euros avançará para os 505,75 euros e quem paga agora 850 deve contar com uma subida de quase 10 euros.

A confirmarem-se os valores agora avançados (os dados definitivos saem a 12 de setembro), o aumento de rendas ditado pela inflação será ligeiramente superior ao registado este ano, que foi de 1,12%.

O atual panorama do mercado de arrendamento, em que muitos inquilinos têm contratos de arrendamento a um ano, permite ao dono da casa contornar o aumento ditado pela inflação. É que, respeitando os prazos previstos na lei, é possível ao senhorio opor-se à renovação do contrato e confrontar o inquilino com um novo e com uma renda mais elevada.

Para os senhorios que atualizam as rendas em linha com o índice de preços, a trajetória tem oscilado entre subidas e congelamentos ao longo desta última década. Em 2014, a inflação ditou um aumento de 0,99% mas o ano seguinte foi de congelamento, já que a inflação medida em agosto de 2014 foi negativa.

Depois de apurada a inflação, cabe ao INE calcular o coeficiente de atualização das rendas que é posteriormente publicado em Diário da República.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
Rendas deverão aumentar 1,15% em 2019