crédito

Rendas elevadas levam famílias a não pagar crédito ao consumo

Fotografia: Arquivo/ Global Imagens
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Administrador da Reorganiza destaca aumento dos pedidos de apoio de situação de maior fragilidade financeira.

O aumento galopante das rendas está a levar mais famílias a terem dificuldades no pagamento de empréstimos ao consumo, defende João Morais Barbosa, administrador da Reorganiza, um dos intermediários de crédito autorizados pelo Banco de Portugal (BdP), noticia o Público, esta terça-feira.

De acordo com o responsável, muitas famílias que residiam nos centros das cidades e que não viram os seus contratos renovados foram como que obrigadas a procurar habitação mais longe. “Esta situação leva a que, mesmo fora dos grandes centros, os valores a pagar sejam mais elevados e, ainda, que essa mudança implique, com frequência, um aumento de custos com transportes ou outros.”

A situação, aliada às taxas de juro elevadas, fez disparar os pedidos de ajuda por parte de famílias, especialmente as mais carenciadas.

Desde janeiro, os portugueses contrataram 4.256 milhões de euros em crédito ao consumo, menos 32 milhões de euros do que igual período do ano passado, segundo os dados divulgados ontem pelo BdP.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Rendas elevadas levam famílias a não pagar crédito ao consumo