Sucesso Made in Portugal

Renova. Como tornar sexy um produto “banal” como o papel higiénico?

A carregar player...

Paulo Pereira da Silva, CEO da Renova, diz que é difícil encontrar um novo ícone como o papel higiénico preto.

Depois das intervenções do CEO da TAP e do co-fundador e chairman da Critical Software, no primeiro debate do dia dedicado ao tema “O segredo do que vendemos lá fora, tendências de consumo, produtos e serviços de excelência e as novas geografias”, foi a vez de Paulo Pereira da Silva, o CEO da Renova, explicar como é que uma empresa tradicional numa área tradicional conseguiu inovar e tornar sexy internacionalmente um produto “banal” como o papel higiénico.

Para isso, garante Paulo Pereira da Silva, a chave foi manter sempre um “espírito empreendedor” dentro da empresa. “Para nós é importante manter um espírito de startup”, disse o CEO, contando que a Renova foi alvo de um case study da escola de negócios INSEAD (Instituto Europeu de Administração de Empresas), depois apresentado aos alunos do MBA da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

“Ali estava eu, em São Francisco, a olhar para a minha vida e a minha empresa em Portugal”, disse Paulo Pereira da Silva, acrescentando, que “a Renova é só um risquinho. Somos muito pequeninos”.

Ainda assim, contou, a professora de Standford deu aos alunos a Renova e não a Microsoft como exemplo de uma startup de sucesso. “Em qualquer país onde entramos somos uma startup. E queremos manter esse espírito na empresa, manter a juventude e a capacidade de renovar, criar novos produtos e inovar”, referiu o CEO, lembrando a aposta em pessoas e talentos na organização.

Importante, lembrou, é também a capacidade de ir buscar inspiração e exemplos a outras empresas e a interseção com áreas diferentes. “Olhar para outras empresas e mercados e trazer para o meu negócio”, recomendou o responsável, terminando com a dica mais importante: “Ser obsessivo”.

“É difícil encontrar um novo ícone como o papel higiénico preto”

Paulo Pereira da Silva, diz que é difícil encontrar um novo ícone como o papel higiénico preto. “Foi muito importante para a Renova num dado momento. Foi a reinvenção do papel higiénico, até aí era um não produto, não havia qualquer relação afetiva por parte dos consumidores. Agora todos têm opinião, é um objeto de decoração, é um outro produto, de luxo. É icónico e difícil de repetir”, disse o responsável.

Na sua visão, os clientes estão a mudar a uma velocidade brutal e o e-commerce pode ser importante para um produto como o papel higiénico. A mais recente tentativa de inovação passa pela personalização de papel higiénico – o “Made by U” -, que a Renova envia para todo o mundo. “Assim temos a capacidade de chegar junto dos cidadãos muito rápido”, referiu.

Outra inovação, com poucos meses, passa por embalar os rolos de papel higiénico em papel reciclado e não plástico. “Uma marca tem de ter uma cultura forte e coerência”, sobretudo ao nível ambiental e da economia circular.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

CGD perdeu 1200 milhões em empréstimos de risco

Miguel Setas, presidente da EDP Brasil

EDP Brasil quer duplicar presença no país até 2020

Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Portugal não vai concorrer a vaga de topo no BCE, nem mexe na previsão do PIB

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Renova. Como tornar sexy um produto “banal” como o papel higiénico?