Investimento

República fez maior investimento de sempre em segurança na Madeira

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

A República está a fazer o maior investimento de sempre, na ordem dos 4,3 milhões de euros, na segurança na Região Autónoma da Madeira.

A República está a fazer o maior investimento de sempre, na ordem dos 4,3 milhões de euros, na segurança na Região Autónoma da Madeira, disse esta terça-feira o ministro da Administração Interna.

“Nunca como hoje houve tanto investimento da República na área da segurança na Madeira”, declarou Eduardo Cabrita no final da deslocação que efetuou neste dia à região.

Eduardo Cabrita falava após ter reunido na sede do Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira com o secretário da Saúde madeirense, Pedro Ramos.

O governante madeirense ouviu o ministro rejeitar a pretensão da Madeira de transferir para a República a responsabilidade financeira pela utilização do helicóptero de combate a incêndios que está a operar na região.

“O meio aéreo revelou-se muito útil, não só na sua eficácia e eficiência, como no apoio que tem dado a equipas no terreno”, sublinhou Pedro Ramos.

Desde que está na Madeira (15 de junho), este meio aéreo foi utilizado 10 vezes, sendo cinco no ataque inicial a um incêndio e as restantes com o fogo em fase já ampliada, tendo efetuado 100 descargas, num total de 100 mil litros, informou o responsável insular.

No entender do executivo madeirense, “a responsabilidade financeira deste meio aéreo que, neste momento, o governo [regional] assumiu por ter em conta aquilo que tinha acontecido na região autónoma nos últimos anos” deve “passar para o Governo da República”.

O Governo Regional assumiu este ano o valor de 1,2 milhões de euros para ter um helicóptero de combate a incêndios na região.

O responsável insular indicou ter conhecimento que “também há uma intenção do Governo da República de transferir algumas das responsabilidades para a Força Aérea”, insistindo que, “a partir de 2019, o meio aéreo tem que continuar na Madeira, mas a responsabilidade financeira não deve estar na dependência do Governo Regional, mas da República”.

Pedro Ramos também solicitou o prolongamento do helicóptero na Madeira até 15 de novembro devido às previsões meteorológicas do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que prevê “um mês de outubro atípico, não só no que diz respeito a precipitações, como de temperatura”.

Ainda mencionou ter transmitido ao ministro a necessidade da criação de uma central de emergência conjunta com elementos da PSP, no edifício da Proteção Civil, considerando ser “vantajoso para o socorro, para não se perder informação, para não haver atraso nas comunicações”.

O ministro da Administração Interna reiterou que a República mostrou solidariedade e apoiou a “contratação de um meio aéreo que experimentalmente está neste momento na Madeira” e que irá respeitar o que foi acordado em novembro e assumir 490 mil euros com IVA.

“A Proteção Civil é uma matéria de responsabilidade regional. Não irei violar as competências regionais nessa matéria” vincou, complementando que o Governo nacional quer “garantir toda a cooperação futura dentro deste princípio”.

No que diz respeito ao prolongamento da permanência do meio aéreo na Madeira por mais um mês respondeu: “Julgo que não haverá nenhuma dificuldade”.

Eduardo Cabrita reforçou que esta é “uma questão técnica” e, desde que a avaliação meteorológica o justifique, o Governo está “em condições de, junto da empresa que foi contratada para alocação deste serviço operacional ao longo deste ano, prolongar por mais um mês”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

NUNO VEIGA / LUSA

Governo apresentou queixa contra 21 pedreiras em incumprimento

Outros conteúdos GMG
República fez maior investimento de sempre em segurança na Madeira