Investimento

Riscos políticos são o que mais preocupa investidores portugueses

business-3167295_1920

Disrupção tecnológica e impacto das alterações climáticas fazem também parte das preocupações dos investidores portugueses.

Na hora de tomar decisões, são os riscos políticos que mais preocupam os investidores portugueses. Esta foi a conclusão de um inquérito recentemente realizado pela Schroders, gestora global de investimentos.

Dos 110 investidores qualificados portugueses entrevistados, 32,7% subscreveram esta ideia, enquanto 20,9% apontaram as guerras comerciais, 20% o fim do programa de compra de ativos do Banco Central Europeu (BCE) e 19,1% o ambiente de baixas taxas de crescimento.

A Schroders concorda com os resultados obtidos, acreditando que “as disrupções políticas, relacionadas com o surgimento de movimentos populistas e nacionalistas, estão a condicionar os fluxos típicos da globalização com o ressurgimento de medidas protecionistas”, pode ler-se em comunicado. A gestora de investimentos aponta ainda o aumento da contestação popular, motivada pela estagnação do rendimento das famílias, “que pode aumentar a pressão sobre os orçamentos nacionais”.

A gestora acredita ainda que a guerra comercial entre os EUA e a China se vai manter por mais algum tempo, apesar de ser temporária. “Os norte-americanos procuram defender a sua indústria e o seu capital intelectual, enquanto a China quer reforçar a sua posição no contexto mundial. No entanto, a economia chinesa está muito mais exposta às exportações para os EUA do que o contrário.”

Os investidores inquiridos assinalaram também a disrupção tecnológica e o impacto das alterações climáticas como fontes de preocupação na hora de tomar decisões quanto ao investimento.

Sobre a classe de ativos que terá melhor desempenho durante este ano, os inquiridos destacara, as ações de mercados emergentes, seguidas das ações norte-americanas e das europeias.

“Os resultados do inquérito informal que realizámos demonstra claramente o impacto que a política internacional está a ter nas decisões de investimento um pouco por todo o mundo”, afirma Carla Bergareche, diretora-geral da Schroders Portugal e Espanha. “Por outro lado, verifica-se uma grande confiança dos investidores nos mercados de ações, como o demonstram as boas perspetivas apontadas aos mercados emergentes, norte-americano e europeu, nos quais residem oportunidades para diversificar carteiras e fazer face ao contexto de abrandamento do crescimento global e de aumento da volatilidade”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-diretor das Grandes Empresas da Caixa Geral de Depósitos, José Pedro Cabral dos Santos na II comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. MÁRIO CRUZ

Cabral dos Santos apresenta carta a desmentir Berardo sobre créditos na CGD

Outros conteúdos GMG
Riscos políticos são o que mais preocupa investidores portugueses