Defesa

Rui Rio concorda com aumento da despesa nacional com a Defesa

Rui Rio

O presidente do PSD salientou que a verba em causa "não é astronómica, mas pesa no Orçamento do Estado".

O presidente do PSD manifestou concordância com o aumento da despesa nacional com Defesa, salientando que se insere numa estratégia europeia, e revela que o Governo acertou com os sociais-democratas a posição que levaria à cimeira da NATO.

Num almoço-debate do Fórum de Administradores e Gestores de Empresas, em Lisboa, Rui Rio fez as contas e avaliou em cerca de 700 milhões de euros por ano o custo deste aumento a nível nacional, dizendo que terá de ser “o PS a resolver” eventuais problemas orçamentais com os seus parceiros à esquerda.

“O Governo concertou com o PSD, avisou o PSD que ia tomar essa posição no quadro de uma cooperação que há em matéria de defesa e negócios estrangeiros, que não é entre o atual PSD e o atual Governo, mas entre Governo e oposição”, afirmou, no final do almoço, em declarações aos jornalistas.

O presidente do PSD salientou que a verba em causa “não é astronómica, mas pesa no Orçamento do Estado”.

“Da nossa parte, pensamos que devemos estar na NATO e integrados na estratégia europeia para a NATO, aumentar a despesa e até alterar a sua composição, no sentido de ser mais operacional e menos administrativa”, assegurou.

“À esquerda, é um problema que o PS terá de resolver”, acrescentou.

Esta quinta-feira, após a reunião de emergência dos 29 chefes de Estado ou de Governo da NATO na capital belga, o primeiro-ministro, António Costa, afirmou não acreditar que o anunciado incremento da despesa com a Defesa, dados os compromissos assumidos no âmbito da Aliança Atlântica em 2014, complique as negociações do Orçamento do Estado para 2019 com os partidos à esquerda parlamentar, embora assumindo tratar-se de mais um constrangimento nas decisões do futuro documento em negociação.

Costa apresentou “um quadro anualizado” que especifica que Portugal vai consagrar 1,66% do Produto Interno Bruto (PIB) a despesas em Defesa até 2024, podendo os investimentos atingir 1,98% do PIB se o país conseguir obter os fundos comunitários a que se irá candidatar no âmbito do próximo Quadro Financeiro Plurianual da UE para o período 2021-2027, nomeadamente através do Horizonte Europa e do Fundo Europeu de Defesa.

De acordo com os dados publicados na terça-feira pela Aliança Atlântica, Portugal destinou no ano passado 2.398 milhões de euros a despesas em Defesa, o que equivale a 1,24% do seu PIB, devendo este ano aumentar para 2.728 milhões de euros, o equivalente a 1,36% da riqueza nacional.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens

Cláudia Azevedo. Quem é a mulher que vai mandar na Sonae?

Rui Rio e António Costa em conferência TSF

PSD vai abster-se na votação que altera leis laborais

O antigo ministro da Economia, Manuel Pinho, durante a sua audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, sobre o seu alegado relacionamento, enquanto Ministro da Economia e da Inovação, e o setor privado, Assembleia da República em Lisboa, 17 de julho de 2018. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Pinho: “Não tenho conhecimento de conversas entre Sócrates e Salgado”

Outros conteúdos GMG
Rui Rio concorda com aumento da despesa nacional com a Defesa