PSD

Rui Rio escreve carta aos portugueses e diz que está a “tentar fazer diferente”

O presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio. JOSÉ COELHO/LUSA
O presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio. JOSÉ COELHO/LUSA

O presidente do PSD manifesta-se convicto de que os portugueses estão descontentes com os partidos políticos e as “birras partidárias”

O presidente do PSD, Rui Rio, manifesta-se convicto de que os portugueses estão descontentes com os partidos políticos e as “birras partidárias” e assegura que está a “tentar fazer diferente”, admitindo, contudo, que “não é fácil”.

Rio divulgou hoje na sua conta do Twitter a mensagem que está a enviar, por carta, aos portugueses e que foi noticiada pelo jornal Público.

“Cara/o concidadão, estou consciente que está descontente com os partidos políticos. Sei também que não se revê na forma como a maioria dos políticos atua, fomentando birras partidárias que alimentam notícias estéreis e nada contribuem para o desenvolvimento da sociedade”, escreve Rio, no início da missiva.

Por isso, justifica o presidente do PSD, está “a tentar fazer diferente”.

“Como seguramente tem reparado, não é fácil. As críticas são muitas e os obstáculos que tenho pela frente exigem uma grande determinação”, afirmou.

O líder social-democrata justifica ainda as tentativas que tem feito de diálogo com outros partidos, defendendo que “o futuro de Portugal reclama um conjunto de reformas estruturais”.

“Sabemos que a cultura partidária dominante é o contrário. É a do bota-abaixo. Mas, Portugal exige-nos que assim não seja. Alguns insinuam que isto é ser frouxo. Nós achamos que isto é pôr o interesse de Portugal à frente de tudo o mais”, sublinha.

Na carta aos portugueses, Rio refere ainda que estão “cada vez mais claras as falhas do atual Governo e da sua maioria parlamentar”, considerando que as várias greves “atestam bem as ilusões” que diz terem sido “oportunisticamente vendidas” pelo Governo.

“A esperança, que ainda há pouco nos vendiam, está hoje a transformar-se em desilusão. Temos de ser capazes de reverter o caminho para o qual estamos a ser conduzidos, falando verdade e implementando uma governação voltada para a Europa e para o futuro. Porque só assim a esperança terá razão de ser”, acrescenta.

. Sei também que não se revê na forma como a maioria dos políticos atua, fomentando birras partidárias que alimentam notícias estéreis e nada contribuem para o desenvolvimento da sociedade”, escreve Rio, no início da missiva.

Por isso, justifica o presidente do PSD, está “a tentar fazer diferente”.

“Como seguramente tem reparado, não é fácil. As críticas são muitas e os obstáculos que tenho pela frente exigem uma grande determinação”, afirmou.

O líder social-democrata justifica ainda as tentativas que tem feito de diálogo com outros partidos, defendendo que “o futuro de Portugal reclama um conjunto de reformas estruturais”.

“Sabemos que a cultura partidária dominante é o contrário. É a do bota-abaixo. Mas, Portugal exige-nos que assim não seja. Alguns insinuam que isto é ser frouxo. Nós achamos que isto é pôr o interesse de Portugal à frente de tudo o mais”, sublinha.

Na carta aos portugueses, Rio refere ainda que estão “cada vez mais claras as falhas do atual Governo e da sua maioria parlamentar”, considerando que as várias greves “atestam bem as ilusões” que diz terem sido “oportunisticamente vendidas” pelo Governo.

“A esperança, que ainda há pouco nos vendiam, está hoje a transformar-se em desilusão. Temos de ser capazes de reverter o caminho para o qual estamos a ser conduzidos, falando verdade e implementando uma governação voltada para a Europa e para o futuro. Porque só assim a esperança terá razão de ser”, acrescenta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Rui Rio escreve carta aos portugueses e diz que está a “tentar fazer diferente”