Saiba o que vai mudar no seu IRS

Os novos escalões de IRS do OE 2013
Os novos escalões de IRS do OE 2013

Os rendimentos coletáveis a partir dos 80 mil euros passam a estar no último escalão de rendimento e sujeitos a uma taxa de 48%, de acordo com a versão preliminar do Orçamento do Estado para 2013 a que o Dinheiro Vivo teve acesso.

A nova tabela reduz de oito para cinco os escalões, tal como já tinha sido anunciado, e ao mesmo tempo agrava as taxas médias e marginais que incidem sobre cada um dos patamares de rendimento, o que se traduzirá numa forte subida do IRS para a generalidade dos contribuintes sujeitos a este imposto.

Na prática, a nova tabela do IRS funde os dois primeiros escalões de rendimento num só, sujeitando este patamar a uma taxa de 14,5% (contra os 14%-12,34% até agora considerados). No patamar seguinte surgem os contribuintes que ganham entre 7 mil e 20 mil euros por ano (estando a estes valores deduzidos os 4100 euros da dedução específica).

Consulte aqui os antigos escalões de IRS

Os três últimos escalões são reservados para quem ganha entre 20 mil e 40 mil, entre 40 mil e 80 mil e a partir deste valor. Em todos os casos as taxas sobem face às que agora estão em vigor, sendo que no último escalão, aos 48% há ainda que somar 2,5% de taxa de solidariedade.

A estas mudanças, os contribuintes terão ainda de contar com uma sobretaxa de 4%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Rui Freire conta com experiência na Microsoft, grupo Havas e Global Media Group. Fotografia: DR

Rui Freire passa da Microsoft para o grupo Omnicom

António Costa, primeiro-ministro. Fotografia: D.R.

Rentrée quente. Os trabalhos que o governo tem às costas

Fotografia: REUTERS/ Lucy Nicholson

Estes são os atores mais bem pagos do mundo, segundo a Forbes

Médio foi um dos destaques da seleção portuguesa na Euro 2016. Fotografia: DR

Sporting vende João Mário ao Inter de Milão por 40 milhões de euros

Fotografia: EPA/DAVE HUNT

Uber perde mais de mil milhões de euros no primeiro semestre

arranjar emprego

Gig economy. A nova moda do mercado laboral não serve a Portugal

Conteúdo Patrocinado
Saiba o que vai mudar no seu IRS