Saída do Governo em 2015 “é tão especulativa que parece abertura oficial da silly season”

Paulo Portas acredita no poder do povo e das eleições
Paulo Portas acredita no poder do povo e das eleições

O vice-primeiro-ministro disse que o povo é que decidirá quais os políticos que ficam nas próximas eleições legislativas e que a possibilidade avançada sobre a sua saída em 2015 é tão especulativa que "parece a abertura oficial da "silly season'".

“Em outubro de 2015 quem vai decidir sobre os políticos que ficam e os que saem é o povo, pela simples razão de que há eleições e o povo julgará. Tudo o mais é tão especulativo que até parece a abertura oficial da “silly season’”, disse à agência Lusa, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas.

Leia também: Portas: “Portugal deve estar no GPS dos investidores alemães”

O jornal Sol noticia hoje que “Paulo Portas deve sair em 2015”, escrevendo que “o vice-PM não tem vontade de ser candidato nas legislativas”, “mas que no CDS ainda não se perfilam sucessores”.

O semanário diz ainda que a saída de Portas é mesmo encarada como “muito provável” por um membro do executivo, “que tem visto sinais de que o vice-primeiro-ministro não deverá ir a eleições nas legislativas de 2015” e afirma que dentro do CDS são mais as dúvidas do que as certezas.

Nomes como o de Nuno Melo, Mota Soares e Assunção Cristas são apontados, de acordo com o Sol, como alguns dos “possíveis líderes numa era pós-Portas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa (E) e Charles Michel (D). Fotografia: EPA/JOHN THYS

Costa. Orçamento de Charles Michel é para os “países forretas”

A companhia portuguesa teve ontem de colocar os viajantes noutros voos. foto: Global Notícias

TAP estuda soluções para passageiros nos voos com Venezuela

O ministro das Finanças, Mário Centeno, com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Portugal melhora transparência financeira, mas ainda tem nota negativa

Saída do Governo em 2015 “é tão especulativa que parece abertura oficial da silly season”