Habitação

Salário médio em Lisboa só dá para comprar casa até 52 m2

( Gustavo Bom / Global Imagens )
( Gustavo Bom / Global Imagens )

Com o metro quadrado a valer ouro, é nos concelhos onde se ganha menos que se consegue comprar casas maiores.

52 metros quadrados. Este é o tamanho da casa que um casal que ganhe o salário médio em Lisboa consegue comprar na capital. Na cidade do Porto, as dimensões crescem para os 74 metros quadrados. Os dados são da plataforma ComparaJá.pt.

Encontrar um sítio para morar não é fácil, nos dias que correm. A escalada dos preços das casas nas duas cidades dificulta a vida daqueles que querem comprar um imóvel. Juntamente com a plataforma de comparação, fomos perceber “quanta casa” se consegue comprar com o salário médio, isto é, qual o valor máximo de crédito à habitação concedido pelo banco e, com esse dinheiro, a dimensão de casa que se pode adquirir.

Para a análise foi tido em conta um valor de financiamento de 80% do valor de aquisição e uma TAEG de 2,9%, considerando os restantes 20% como a poupança prévia necessária para fazer face ao valor da entrada inicial. Para o cálculo do salário médio líquido, o comparador recorreu à Pordata (dados de 2016) e recorreu à calculadora da consultora PwC para atualizar os valores com a taxa de evolução em Portugal (dados do INE entre 2016 e 2018). Por fim, recorreu-se aos portais Casa Sapo, Idealista e Imovirtual para calcular a média ponderada do preço do metro quadrado para imóveis de tipologia T2 e T3. Para quem procura casa para começar uma família, dois quartos é requisito mínimo.

À vista salta a disparidade salarial entre concelhos, mas, feitas as contas, é nos sítios onde se ganha menos que se consegue comprar uma casa maior. Por exemplo, no Cadaval, um casal cujos membros ganhem, cada um, 593 euros por mês consegue adquirir um imóvel com 199 metros quadrados; em Oeiras, com um salário médio de 1076 euros, o máximo que vai conseguir são 78 metros quadrados. E com uma taxa de esforço bastante superior.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

No distrito de Lisboa, é em Mafra que se ganha menos. O salário médio é de 571 euros. Ainda assim, com este rendimento é possível adquirir uma casa com as mesmas dimensões das de Oeiras.

Na cidade de Lisboa, com o metro quadrado ao preço de ouro, um casal com um rendimento mensal conjunto de 2016 euros consegue comprar uma casa de 52 metros quadrados. Mas, para isso, precisa de ter poupado 47 684 euros para a entrada inicial, na expectativa de conseguir um financiamento máximo de 190 735 euros a 40 anos.

LISBOA

 

“Dadas as assimetrias no rendimento das famílias e no preço das casas, neste momento optar por viver e trabalhar num município contíguo aos principais centros urbanos pode significar menos uma década de trabalho para adquirir uma habitação de maiores dimensões”, refere José Figueiredo, CEO da ComparaJá.pt.

Se viajarmos até ao Norte, o valor do metro quadrado cai quase para metade e, regra geral, as casas são maiores. No Porto, ganha-se em média 848 euros por mês. Com este rendimento, os casais que pretendam comprar casa conseguem obter um empréstimo bancário máximo de 160 458 euros a 40 anos e comprar um imóvel de 74 metros quadrados. Se quiserem uma casa maior, o destino ideal é Paços de Ferreira. Na “capital do móvel”, com um salário mensal líquido de 508 euros, é possível adquirir uma casa maior – 169 metros quadrados. E vão necessitar apenas de 24 023 euros para a entrada inicial.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Marco de Canaveses, Paredes, Trofa e Amarante são também concelhos onde se consegue viver “mais à larga”. 488 euros é quanto se ganha na Lousada. A pouco mais de 40 quilómetros do Porto, é o concelho com o salário médio mais baixo. Mas aqui é possível obter um empréstimo 92 364 euros e comprar uma casa com 151 metros quadrados.

PORTO

 

A plataforma deixa o alerta de que estes são valores genéricos e, é por isso, “fundamental que cada família faça individualmente o cálculo da taxa de esforço específica” e peça o crédito de acordo com o seu perfil.

O primeiro Barómetro da Deco Proteste à capacidade financeira, divulgado recentemente, revelou que quase metade das famílias (46%) manifestam dificuldades em fazer face às despesas de habitação – pagamento de empréstimos e rendas. O estudo mostra ainda que o Índice de Capacidade Financeira em Lisboa e no Porto é de 45,7 e 45,3, respetivamente, valores que colocam as duas cidades no grau das dificuldades financeiras. Na hora de comprar casa, é essencial fazer o cálculo da taxa de esforço que não deve ser superior a um terço do rendimento total do agregado familiar.

“Com base nas perspetivas exploradas na análise, seja pelo ajuste do valor do empréstimo ou do prazo, os portugueses podem perceber como adequar o pedido de crédito à habitação às suas reais possibilidades financeiras por forma a não pressionarem a sua taxa de esforço acima do limite recomendável e, consequentemente, evitar o incumprimento para com o banco”, sublinha José Figueiredo.

“E para evitar ter de alocar uma grande parte do seu rendimento mensal ao pagamento da casa durante mais uma década do que seria efetivamente possível, as famílias têm obrigatoriamente de aliar a correta escolha da zona mais competitiva em termos de preço por metro quadrado a uma boa negociação das condições do seu empréstimo”.

FARO

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Salário médio em Lisboa só dá para comprar casa até 52 m2