Salários

Salário nas pequenas empresas pode ser 70% mais baixo do que nas grandes

pessoas

Em 2018, a remuneração média foi de 1 142 euros, acima do valor do ano anterior.

Trabalhar numa pequena ou numa grande empresa pode fazer toda a diferença no salário ao final do mês. De acordo com os dados divulgados ontem, pela primeira vez, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) a dimensão de uma empresa, avaliada pelo número de trabalhadores, pode significar uma diferença salarial superior a 500 euros por mês.

O INE tem em conta a remuneração bruta total mensal por trabalhador que inclui o salário antes de impostos e contribuições e todas as componentes variáveis, como por exemplo, o subsídio de férias e de Natal. Em causa estão cerca de 3,6 milhões de trabalhadores de aproximadamente 396 mil empresas.

Neste primeiro estudo do gabinete de estatísticas com base na informação enviada pelas empresas à Segurança Social, é feita a desagregação das remunerações por escalão de pessoas ao serviço.

Nas empresas de um a nove trabalhadores (microempresas), o salário situou-se nos 832 euros; no patamar seguinte (pequenas empresas – entre 10 e 49 trabalhadores) a remuneração já chega aos 1 073 euros; as médias empresas (entre 50 e 250 trabalhadores) pagaram um salário médio de 1 250 euros. Mas é no escalão de empresas com um número de trabalhadores entre 250 e 499 trabalhadores que a remuneração é mais elevada, superando os 1 400 euros, um valor que desce no patamar seguinte de empresas com mais de 500 trabalhadores.

Ou seja, entre o salário médio de uma micro e de uma grande empresa pode haver uma diferença de 70% no ganho.

Setor também conta

Além da dimensão da empresa, o setor também é determinante para o salário dos trabalhadores.

Os dados divulgados pelo INE indicam que é nas atividades da agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca que se situam os salários mais baixos, em média 773 euros. No extremo oposto, estão as atividades da eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio com uma remuneração bruta total mensal de 3 021 euros. Seguem-se as atividades financeiras e de seguros, com uma remuneração bruta total mensal de 2 472 euros.

Em março salários subiram

A informação agora divulgada pelo INE abrange o período entre março de 2014 e março deste ano, mês em que se verificou a maior variação homóloga desde que o gabinete de estatística começou a compilar os dados.

No final do primeiro trimestre, a remuneração bruta regular (que exclui, por exemplo, os subsídios de férias e de Natal) foi de 951 euros. Em termos absolutos representou mais 29 euros do que em março do ano passado, quando a remuneração bruta era de 922 euros. Neste caso optou-se pela remuneração bruta regular que é menos sensível a efeitos sazonais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Salário nas pequenas empresas pode ser 70% mais baixo do que nas grandes