Mercado de Trabalho

Salários na construção estão 2,6% acima de 2015

A construção é um dos setores mais afetados pela falta de mão de obra. Fotografia: Yuriko Nakao/ Reuters
A construção é um dos setores mais afetados pela falta de mão de obra. Fotografia: Yuriko Nakao/ Reuters

A atividade do sector, aquele onde mais aumentou a procura por pessoal, está a crescer 4%.

O índice de remunerações no sector da construção encontrava-se em maio 2,6% acima do nível de 2015, indicam dados do INE divulgados esta quinta-feira, que apontam também para um crescimento no emprego praticamente no mesmo nível (mais 2,5% que há quatro anos).

O relatório estatístico, que também avança a evolução na produção do sector, mostra que esta que é uma das áreas com maior procura por trabalhadores via em maio as remunerações subirem 6,2% face ao mesmo mês do ano anterior. Ainda assim, esta foi uma altura em que o índice se encontrava 3,4% abaixo do nível de 2015. Já o emprego subia, em termos homólogos, 2,6%.

No que diz respeito à atividade da construção, o índice de produção encontrava-se a crescer 4,4% face à média de 2015. A melhoria era de 4% relativamente a maio do ano passado.

Segundo dados do Ministério do Trabalho, no primeiro trimestre deste ano a construção era o sector onde a procura por trabalhadores mais crescia, com uma subida de 69% nas vagas. O sector que concentra 6% do emprego nacional tem vindo a queixar-se da falta de mão-de-obra e tem sido um dos que sofrem perda expressiva de trabalhadores para a emigração. No primeiro trimestre, havia 2.222 postos de trabalho por ocupar.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa visita casas em construção. Fotografia: RODRIGO ANTUNES/LUSA

Aviões puxam pelo investimento, bancos e construção amortecem recessão

Entrevista a Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.
(Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Luís Araújo: “A nossa maior concorrência não é um país. É o medo”

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Salários na construção estão 2,6% acima de 2015