INE

Salários nas filiais estrangeiras são 40% mais altos face a empresas portuguesas

Parque empresarial Lionesa, em Leça do Balio 
( Pedro Granadeiro / Global Imagens )
Parque empresarial Lionesa, em Leça do Balio ( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Segundo dados publicados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, as filiais estrangeiras pagam mais 394 euros aos trabalhadores.

Trabalhar numa empresa de origem estrangeira em Portugal significa ganhar mais ao fim do mês. O Instituto Nacional de Estatística (INE) publicou esta terça-feira as estatísticas da globalização, segundo as quais as filiais de empresas estrangeiras pagaram aos trabalhadores um salário médio de 1354 euros em 2018. Em comparação com as empresas de origem portuguesa, as remunerações nas filiais são 394 euros superiores, ou 40%. É o valor mais elevado desde 2010.

A análise do INE mostra que, no ano passado, existiam no país perto de sete mil empresas de origem estrangeira, que empregam cerca de meio milhão de pessoas. Cada filial emprega, em média, 71 pessoas, enquanto as empresas portuguesas têm oito trabalhadores. Existem 442 filiais de grande dimensão, que empregam no total 350 mil pessoas.

Estas empresas geraram em 2018 um Valor Acrescentado Bruto (VAB) de 22 mil milhões de euros, mais 4,8% em comparação com o ano anterior. Mais de 70% deste valor diz respeito a empresas com sede em países da UE. Segue-se o continente americano, com 15% do VAB. O país com mais peso no VAB é França, que gerou mais de cinco mil milhões de euros. No entanto, o país com maior peso no que toca ao número de filiais é Espanha, com 22,1%.

O INE destaca ainda que as atividades económicas cujo VAB mais aumentou foram “Outros serviços” e “Construção e atividades imobiliárias”. Em sentido contrário está o setor do “Alojamento e restauração”, que entre 2016 e 2017 registou um aumento do VAB próximo dos 40% e em 2018 cresceu apenas 1,3%.

Além dos salários, também a produtividade das filiais estrangeiras é superior face às empresas portuguesas. Em média, as empresas estrangeiras registaram uma produtividade próxima dos 44 500 euros, mais 18 mil euros quando comparada com as empresas portuguesas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka assegura 68% das vendas; Pingo Doce 24%

Jerónimo Martins vai impugnar coima de 24 milhões na Polónia

Parque Eólico

EDP Renováveis vende sete parques eólicos à Finerge em Espanha

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

Salários nas filiais estrangeiras são 40% mais altos face a empresas portuguesas