Justiça

Santa Casa de Lisboa: PJ investiga crime de participação económica

Fotografia: António Cotrim/Lusa
Fotografia: António Cotrim/Lusa

Em causa a aquisição de bens e serviços pela SCML com recurso a ajuste direto a empresas com relações a trabalhadores e órgãos daquela instituição

As buscas hoje realizadas numa investigação que envolve a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) estão relacionadas com suspeitas do crime de participação económica em negócio, revelou hoje o Ministério Público (MP).

Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), no inquérito investigam-se suspeitas de “aquisição de bens e serviços pela SCML com recurso a contratação por ajuste direto a empresas com relações a trabalhadores e órgãos daquela instituição”.

Com esta prática, adianta a PGDL, beneficiavam indevidamente aquelas empresas e aqueles trabalhadores “em detrimento das regras que presidem ao regular funcionamento do mercado”.

A PGDL indica que estão em curso nove buscas domiciliárias, duas buscas a local de trabalho de advogado e quatro buscas não domiciliárias, num inquérito dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, em colaboração com a Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ.

Na operação participam dois magistrados do MP, mais de quatro dezenas de elementos da Polícia Judiciária e oito peritos da Unidade de Perícia Financeira e Contabilística e da Unidade de Tecnologia e Informação da PJ.

De acordo com a PGDL, o inquérito não tem arguidos constituídos.

Entretanto, numa nota enviada à Lusa, a Santa Casa referiu que que “foram efetuadas, esta manhã, buscas pela Polícia Judiciária, no âmbito de uma investigação a alguns processos aquisitivos, numa área específica da SCML”.

“A administração da SCML deu orientações aos seus serviços para colaborarem com as autoridades”, lê-se na nota.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Santa Casa de Lisboa: PJ investiga crime de participação económica