Schäuble oferece a Grécia aos EUA em troca de Porto Rico

Wolfgang Schäuble
Wolfgang Schäuble

O ministro das Finanças alemão é conhecido por ser um homem de respostas rápidas e incisivas, mas não por um sentido de humor demolidor. Hoje, aconteceu a exceção que confirma a regra. Na conferência do Bundesbank, em Frankfurt, Wolfgang Schäuble, disse, em tom de piada, que a União Europeia podia ficar com Porto Rico (país da área do dólar que está na bancarrota) se os Estados Unidos ficassem com a Grécia.

Piada demolidora, nem que seja no sentido literal, já que surge a três dias da reunião final que ditará ou não um acordo sólido e duradouro entre os credores e a Grécia. Acordo que, dizem, poderá evitar o pior: a saída da Grécia do euro e/ou a destruição total dos bancos gregos e do tecido economico-social do país com 11 milhões de habitantes.

“Num dia destes fiz uma oferta ao meu amigo Jack Lew [o seu homólogo norte-americano, secretário de Estado do Tesouro do governo Obama], poderíamos ficar com Porto Rico na zona euro se os Estados Unidos estivessem dispostos a ficar com a Grécia na união do dólar”, atirou Schäuble, um dos ministros mais duros e inflexíveis nesta crise histórica da moeda única. A citação foi retirada da Bloomberg, que acompanhou a conferência em Frankfurt.

Jack Lew “julgou que era uma piada”, acrescentou ainda o membro do Executivo de Angela Merkel, para espanto de muitos.

Seria com certeza uma piada, ainda que o racional financeiro do responsável alemão possa ter algum peso aqui. É que a dívida pública total da Grécia ascenderá a 313 mil milhões de euros ou cerca de 175% do PIB (valores de final de março apurados pela agência da dívida helénica).

Já a dívida da pequena ilha das Caraíbas, que é considerada tecnicamente parte integrante da zona dólar, estará nos 65 mil milhões de euros ou 70% do PIB insular (cerca de 72 mil milhões de dólares).

Curiosamente, para efeitos de gestão de dívida, Porto Rico está por sua conta e risco, o que torna o território o único responsável pelo endividamento contraído e diretamente penalizado em caso de default, não implicando o acionamento de dispositivos federais nessa matéria, por exemplo.

No mesmo evento, Schäuble aceitou que a dívida grega é insustentável sem medidas de alívio (fazendo eco das propostas do FMI e do próprio Lew), mas atirou logo que agora (e tão cedo) não há condições para debater esse assunto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Schäuble oferece a Grécia aos EUA em troca de Porto Rico