Como gerir o meu dinheiro

Se investir em fundos, quais os riscos e oportunidades?

Investir em fundos

Durante este mês vamos responder a questões económicas com ajuda da Golden Wealth Management. Hoje publicamos o terceiro artigo.

Nas próximas semanas, às segundas-feiras pode ver respondidas questões como: Quero investir. Como o posso fazer? (publicado dia 1); Como selecionar as melhores ações e obrigações? (dia 8); E se investir em fundos? (publicamos hoje); e Como gerir melhor as poupanças? (dia 22).

Segue-se então o tema desta semana, respondido por Franklin Silva, Funds Analyst da Golden Wealth Management.

Investir em fundos

As motivações para um investimento em fundos podem ser várias. Desde logo, realçamos a questão da diversificação; o acesso a gestores ativos e/ou o acesso a estratégias de investimento próprias. No entanto, escolher entre cerca de +100.000 fundos existentes pode ser um verdadeiro quebra-cabeças.

Na seleção de fundos de investimento é fundamental uma análise robusta, independente e contínua que permita dar forte apoio na procura por consistência na performance de longo prazo dos gestores. Os investidores devem prestar atenção ao cumprimento da sua política de investimento, aos procedimentos de gestão de risco, ao posicionamento histórico (para verificar coerência) e à causa da performance (para averiguar se os retornos passados são resultado de gestão ativa ou incremento de risco).

Para isso, recomendamos sempre que se suporte de uma equipa profissional e dedicada que faça uma análise diligente e que elimine os critérios de risco muitas vezes pouco visíveis ao investidor.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Se investir em fundos, quais os riscos e oportunidades?