Reclamações

Segurança Social e SNS são os serviços públicos com mais queixas

Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens
Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens

A Segurança Social, o SNS e o Centro Nacional de Pensões lideram o topo da lista dos organismos públicos com mais reclamações. Queixas aumentaram 40%

Os portugueses estão a reclamar mais e os serviços públicos estão na mira dos descontentamentos. Entre janeiro e maio deste ano, o número de queixas dirigidas aos serviços públicos aumentou 40% relativamente ao mesmo período de 2017, de acordo com dados avançados pelo Portal da Queixa.

A Segurança Social, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o Centro Nacional de Pensões (CNP) lideram o topo da lista dos organismos públicos com mais reclamações recebidas nesta plataforma.

Com 881 reclamações online desde janeiro dirigidas à Segurança Social, a maioria são referentes a problemas na atribuição dos rendimentos, abonos ou outros. Cerca de 62% dos consumidores reclama das falhas no atendimento e na análise da situação e, 38% dos casos, denuncia os atrasos significativos na entrega de subsídios e a falta de resposta por parte da entidade.

Serviços públicos com mais reclamações (janeiro-maio 2018)

O mau atendimento é um dos principais problemas referido em 52% das 273 reclamações sobre o SNS. Também o mau serviço prestado nos hospitais ou centros de saúde é o motivo que sustenta 45% das queixas. Do total de queixas efetuadas, apenas 7 foram resolvidas pelo SNS.

Por outro lado, O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), o Ministério da Educação e da Ciência (MEC) e o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) são quem mais resolve as queixas.

A Câmara Municipal de Oeiras ganha destaque na tabela das entidades públicas com maior número de reclamações, com uma variação de 280% face ao período homólogo.

Relativamente ao IRN, 51% dos consumidores queixa-se do atendimento, enquanto que 40% queixa-se dos atrasos na emissão dos cartões de cidadão, de certificados ou passaportes. No caso do IMT, a maioria das reclamações (76%) são relativas a atrasos quer na emissão da carta, quer na marcação de exame ou na resposta ao consumidor.

Comparação com o ano 2017

 

Há mais portugueses a reclamar online

Num estudo recente, realizado a 5 mil pessoas, pelo Portal da Queixa com a Nicequest, 97% dos inquiridos afirmou que faz sentido reclamar. 85% já fez reclamações e 41% dos que reclamaram e obtiveram resposta ficaram satisfeitos com a resolução.

Os consumidores mais jovens, com idade inferior a 40 anos, consideram que “reclamar ajuda a melhorar o serviço prestado” e os mais velhos, com mais de 40 anos considera que reclamar é “um direito e um dever”.

O Portal da Queixa reúne a preferência de 69% dos entrevistados e, em segundo lugar, está o livro de reclamações a agradar a 49% dos participantes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Jerónimo Martins é dona do Pingo Doce

Lojas Pingo Doce “que estavam perto da Mercadona cresceram”

Hebe

Jerónimo Martins expande marca Hebe para Eslováquia e República Checa

Segurança Social e SNS são os serviços públicos com mais queixas