Seguro apresentou cinco propostas para promover o crescimento económico do país

António José Seguro
António José Seguro

O Partido Socialista apresentou cinco propostas para o Governo equilibrar as contas públicas sem recorrer à austeridade, mas sim apostando no crescimento económico. O aumento do salário mínimo nacional, o fim da CES, o pagamento das dívidas do Estado, a redução do IVA para 13% e usar os cinco mil milhões de fundos europeus do QREN ainda remanescentes, foram as propostas do PS.

“Há uma alternativa que consegue conjugar o equilíbrio sustentável das contas públicas, não apenas através apenas de cortes cegos, mas através de um limite de despesa, mas também através de receitas que só o emprego e o crescimento conseguem gerar”, disse o secretário-geral do PS, António José Seguro, esta quarta-feira durante o debate do Estado da Nação.

“Compete ao Partido Socialista, como partido responsável na oposição não dizer apenas o que está mal no nosso país”, afirmou Seguro que deixou “cinco propostas concretas” a Passos Coelho para a “recuperação do rendimento e para o crescimento da economia”.

“Primeiro, o aumento do salário mínimo nacional, há um consenso na sociedade portuguesa, mas o Governo está fora desse consenso. Segundo, acabar com a contribuição extraordinária de solidariedade para repor as reformas aos idosos, que nunca deviam ter sentido nas suas reformas e pensões”, começou por enumerar o líder do PS.

Em terceiro, António José Seguro propôs o pagamento de “todas as dívidas do Estado” às empresas com o dinheiro da troika destinado à recapitalização da banca e que não foi usado. “Sempre que houve necessidade de acudir aos bancos não faltou dinheiro, agora que há dinheiro porque os bancos não precisaram dele o senhor tem a responsabilidade de injetar este dinheiro na economia e pagar as dívida às empresas. Quarto, reduzir o IVA da restauração para a taxa intermédia dos 13%”, sublinhou.

Por último, Seguro defende a dinamização da economia “através de investimento público”, em particular os fundos do anterior programa de fundos europeus o QREN, dos quais ainda resta aplicar cinco mil milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Só 789 empresas mantiveram lay-off simplificado em agosto

Seguro apresentou cinco propostas para promover o crescimento económico do país